Um Olhar do Paraíso

Este filme tem um importante ‘cartão de visitas’. Foi dirigido por ninguém menos que Peter Jackson, diretor da trilogia ‘O Senhor dos Anéis’.

‘Um Olhar do Paraíso’ é o último filme de Jackson antes do lançamento da trilogia ‘O Hobbit’. A obra, uma adaptação para o cinema do romance homônimo da escritora Alice Sebold. No Brasil recebeu o nome de ‘Uma Vida Interrompida’. Tanto no lançamento literário e cinematográfico não tiveram ‘coragem’ de usar uma tradução literal que seria algo como ‘Os Amáveis Ossos’. Toda a história tem uma densidade muito grande, abrandada pela percepção de um pós-vida. Em momentos o filme chega a parecer uma obra espírita, porém agrega uma grande parte de drama policial.

Infelizmente as traduções feitas no Brasil, tiram esta dualidade da obra e a agressividade e densidade da história e da escrita de Alice Sebold que por muitas vezes soa como algo mórbido. A representação do céu no entando não fica evidente, ao menos no filme, já que a protagonista está em uma espécie de limbo, onde ainda tenta voltar a vida, inconformada com sua morte. Este é o núcleo do romance, uma menina de 14 anos que é estuprada e morta, sendo que ela é a narradora da sua própria vida e consequentemente de sua morte. Alice Sebold tem uma característica muito específica de escrever, tratando de um assunto bastante denso, porém de forma muito poética, figurativa, simbólica e fantasiosa.

Para você gostar do filme, precisa estar preparado para uma história nova, algo que caminha por inúmeras vertentes diferentes. Se você é muito preso(a) a formatos clássicos de filme, se possui restrições religiosas ou alguma necessidade de explicações mais fundamentalistas, talvez você não goste do filme.

No papel da protagonista Susie, está a talentosa Saoirse Ronan que eu já havia elogiado pela atuação no filme Hanna. Saoirse Ronan é uma jovem atriz muito comedida nas suas atuações. Não é o típico talento precoce que está em uma obra porque sabe chorar com facilidade ou coisas do tipo. As diferentes atuações nestes filmes completamente diferentes entre si, prova que é uma atriz com muitos recursos e que provavelmente se tornará um dos grandes nomes de uma nova geração.

Além da jovem atriz, o filme traz atores conhecido do público:  Mark Wahlberg é o pai de Susie, Jack Salmon. Stanley Tucci está irreconhecível no papel do estuprador e assassino George Harvey. Rachel Weisz está perfeita no papel de Abigail Salmon, mãe de Susie e Susan Sarandon é a avó. Para completar a família, as irmãs na vida real Lynn e Rose McIver interpretam a irmã Lindsey Salmon, pois existe uma passagem de tempo na história.

Falar mais do filme é dar spoiler, portanto nem colocarei uma sinopse. Assista, recomendo e volte para dizer se eu estava certo.

 

Millennium – A Trilogia

O primeiro filme que assiste sobre a trilogia literária de Millennium foi a versão americana para o primeiro livro, dirigido pelo excelente David Fincher, simplesmente o cara que dirigiu Seven, Quero Ser John Malkovich, Clube da Luta, Zodíaco, O Curioso Caso de Benjamin Button e A Rede Social. Com este título eu se quer sabia do que se tratava o filme. Aluguei por ter ouvido boas referências. Foi escrevendo a resenha do filme aqui no blog que acabei sabendo mais sobre o escritor sueco Stieg Larsson, que infelizmente faleceu com apenas 50 anos, sem acompanhar o sucesso mundial de seus livros, que foram lançados postumamente em 2005, 2006 e 2007.

Larsson teve os manuscritos da trilogia recusados por inúmeras editoras, até que Christopher MacLehose, de uma pequena editora chamada Quercus comprou os direitos de publicação na língua inglesa. Logo após a morte de Larsson em 2004, Alfred A. Knopf comprou os direitos para publicação em território norte-americano. Em maio de 2010 o livro já havia vendido 27 milhões de cópias. Mais cinco meses depois o número chegava a 46 milhões de cópias e em dezembro de 2011 eram 65 milhões de cópias. Em julho de 2010 Larsson foi o primeiro escritor a vender mais de 1 milhão de cópias para o Kindle. 

A trilogia é composta por

Millennium 1 – Os homens que não amavam as mulheres (Män som hatar kvinnor)
Millennium 2 – A menina que brincava com fogo (Flickan som lekte med elden)
Millennium 3 – A rainha do castelo de ar (Luftslottet som sprängdes)

Acabei encontrando duas informações importantes. A adaptação de Fincher na verdade veio depois de uma produção sueca. A versão de Fincher recebeu um nome diferente: ‘The Girl with the Dragon Tattoo’. Já o terceiro livro em tradução livre não seria ‘A Rainha do Castelo de Ar’, mas sim ‘O Castelo de Ar que Explodiu’. De bobeira, perdido na prateleira da locadora, estranhamente achei a versão sueca, de 2009, dirigida pelo dinamarquês Niels Arden Oplev. Infelizmente ele não deu continuidade a série, pois não concordou com os produtores que não queriam adaptar os dois últimos livros para o cinema e sim para a televisão (wtf?).

Exatamente. Somente o primeiro filme foi produzido para cinema. Os próximos literalmente ‘sob nova direção’, foi dirigido por Daniel Alfredson, lançando as duas últimas adaptações em uma única produção de 180 minutos, dividido em uma minissérie de seis capítulos. Esta versão chegou a televisão sueca em julho de 2010. Com o sucesso mundial do primeiro filme, os produtores enfim se viram obrigados a adaptar o trabalho para cinema em novembro do mesmo ano. Assim chegou ao mercado a Millennium Trilogy Box. Foi por este motivo que de forma muito mal planejada, um dos melhores thrillers policiais que já vi nos últimos anos, chegou ao Brasil tudo ao mesmo tempo e está esquecido nas prateleiras. Restará as versões americanas de aproveitar melhor o sucesso que conseguiu com o primeiro filme.

De qualquer maneira, assisti os dois primeiros filmes na versão sueca e gostei bastante. O filme é estrelado por Michael Nyqvist como Mikael Blomkvist, diretor da Revista Millennium e Noomi Rapace como Lisbeth Salander, uma garota-problema de uns 20 anos, com muito conhecimento em tecnologia. 

Ficha Técnica – Os Homens que Não Amavam as Mulheres

Título Original … Män som hatar kvinnor
Origem … Suécia
Gênero … Policial
Duração .. 152 min
Lançamento … Fev/2009
Direção … Niels Arden Oplev
Roteiro … Nikolaj Arcel e Rasmus Heisterberg

Ficha Técnica – A Menina que Brincava com Fogo

Título Original … Flickan som lekte med elden
Origem … Suécia
Gênero … Policial
Duração .. 129 min
Lançamento … Set/2009
Direção … Daniel Alfredson
Roteiro … Soren Staermose e Jon Mankell

Hoje aluguei o terceiro filme da série, assim que assistir volto aqui para contar mais. Se quiser ver o post da versão americana, clique aqui!

 

O Profissional – Léon

Ontem finalmente tirei um tempo para assistir este filme que habitava meu imaginário há muito tempo. ‘O Profissional’ traz no elenco o excelente ator Jean Reno e a então estreante Natalie Portman,então com 12 anos. De alguma forma estranha, toda a Natalie Portman que conhecemos hoje já estava dentro daquela pequenina garota de 12 anos que aparentaria até menos. O mais confuso é você ver nos olhares provocantes e nas investidas daquela pequena garota, toda a malícia que você vê em Closer, exatos dez anos depois. Apesar de não fazer nenhum sentido, de alguma forma você consegue aceitar que os protagonistas nutrissem um sentimento de amor, mesmo diante da grande diferença da idade e da extrema delicadeza e bom senso de eles não se envolverem sexualmente no filme. É muito mais um sensação do que um dia poderia ser e não do que era naquele momento.

Sinopse

Leone ‘Léon’ Montana (Jean Reno) é um assassino profissional ou um ‘cleaner’ (limpador) como ele refere a si mesmo, que vive uma vida solitária na cidade de Nova York. Seus trabalhos vem de um mafioso chamado Tony (Danny Aiello), que opera a partir do restaurante Supreme Macaroni. Léon passa o seu tempo ocioso dedicando-se a exercícios físicos, alimentando uma planta de casa que no início ele descreve como seu ‘melhor amigo’ e assistindo velhos musicais de Gene Kelly.

Em um determinado dia, ele encontra Mathilda Lando (Natalie Portman), uma menina de doze anos com um olho negro e fumar um cigarro, vivendo com sua família disfuncional em um apartamento no corredor. Seu pai abusivo e a madrasta egoísta nem sequer notam que Mathilda deixou de frequentar as aulas em sua escola para meninas com problemas.

Seu pai atrai a ira de agentes corruptos do DEA (Drug Enforcement Administration), que pagam para que ele esconda carregamentos de cocaína em sua residência, quando descobrem que ele está retirando 10% da droga pura para seu faturamento e substituindo por outras substâncias. Toda a família é morta pelos policiais corruptos liderados por Norman ‘Stan’ Stansfield (Gary Oldman), menos Mathilda que havia saído para fazer compras.

Mathilda retorna para casa e diante da cena do crime segue em frente até a porta de Léon, fingindo ser sua filha para evitar ser morta com sua família. Quando descobre que Léon é um assassino profissional ela enxerga nele a possibilidade de vingar a morte do irmão mais novo, de apenas 4 anos e o único em sua família que ela realmente amava. Assim, diante desta situação Léon e Mathilda se unem em todas as suas perdas e seus vazios.

Ficha Técnica

Título Original … Léon (FR)
Título Inglês … Léon: The Professional
Gênero … Suspense Policial
Duração … 110 min
Lançamento … 1994
Direção … Luc Besson
Roteiro … Luc Besson
Nacionalidade … França/USA

Elenco

Jean Reno como Léon
Gary Oldman como Stansfield
Natalie Portman como Mathilda
Danny Aiello como Tony
Michael Badalucco como pai de Mathilda
Ellen Greene como a mãe de Mathilda

Spoilerando

Read More…

À Beira do Abismo

Depois de muito percorrer locadoras em todas as cidades que morei, aprendi algumas dicas infalíveis para identificar se um filme é bom ou ruim. Esqueça as críticas em sites especializados ou veículos de comunicação. Filmes excelentes recebem notas ruins de críticos insensíveis. Para você saber se está fazendo uma boa escolha de um filme ao qual você não tenha qualquer referência anterior, lembre-se destas perguntas:

O filme traz elogios rasgados na capa e contracapa?
Preocupante, mas não é o suficiente para descartá-lo.

O filme traz estrelinhas representando uma nota qualitativa?
Mal sinal. 4 = tolerante. 5 = inaceitável.

O poster do filme ou a capa do dvd/blu-ray traz a foto do elenco principal?
A coisa está ficando grave. Se não forem muito conhecidos a situação piora.

O dono da locadora lhe disse que o filme é: ‘fantástico’, ‘filmão’, filmaço’, ‘não vi mas dizem que é bom’, ‘muita gente tá gostando’?
Alerta Vermelho… Corra…

À Beira do Abismo é um destes filmes que aluguei completamente sem referências e ignorando algumas das regras acima, por pura falta de opção. O filme traz como protagonista o ator Sam Worthington, que ficou conhecido pelo seu papel em Avatar, apesar de ter sido o 12º filme de sua carreira (pelo que me consta). Depois de Avatar em 2009, ele engatou nada menos que 7 filmes até o final deste ano. Protagonizou ‘Fúria de Titãs’ que sem dúvida foi uma das maiores decepções que tive nos últimos anos e ainda assim, vem um Fúria de Titãs 2 por aí. Ao lado de Worthington temos que também engatou um calhamaço de filmes em 2012. As primeiras lembranças que tenho dela são em: ‘Pagando Bem, Que Mal Tem’, ‘Três Vezes Amor’, ‘Modelos Nada Corretos’ e mais recentemente no bom filme ’72 horas’, onde seu papel é bastante interessante. Após esse início crítico, você deverá pensar que o filme é muito ruim, não é, mas comete muitos erros e exageros na tentativa de prender o espectador. Alguns detalhes do filme não fazem muito sentido e me fez entender que assim fizeram apenas para as cenas finais que de fato conseguem melhorar o filme. Impossível não notar a beleza estonteante da atriz Genesis Rodriguez. Alugue e faça suas considerações.

Ficha Técnica

Título Original … Man on The a Ledge
Gênero … Suspense Policial
Duração … 102 min
Lançamento … 2012
Direção … Asger Leth
Roteiro … Pablo F. Fenjves
Nacionalidade … USA

Elenco

Sam Worthington como Nick Cassidy
Elizabeth Banks como Lydia Mercer
Ed Harris como David Englander
Anthony Mackie como Mike Ackerman
Jamie Bell como Joey Cassidy
Genesis Rodriguez como Angie
Edward Burns como Jack Dougherty
Kyra Sedgwick como Suzie Morales