O Fantástico Sr. Raposo

Para mim, existem filmes que existem uma importância sensorial, emocional, plástica, intelectual. Alguns podem ser confusos, desagradáveis, mas se você não ve-los, perdeu uma grande oportunidade de evoluir, de mudar paradigmas.

Algumas coisas, fogem da nossa compreensão, mas não quer dizer que não fazem sentido. O ser humano tem por necessidade, entender, encontrar lógica, nexo. Quando isso não acontece, repudiamos. O mocinho morrer no final? Não, não faz sentido. O que dizer de obras como escrita pelo incrível Roald Dahl?

A ‘Fantástica Fábrica de Chocolates’, ‘Matilda’, ‘James e o Pessego Gigante’, ‘Os Gremlins’… Precisa dizer mais? (leia mais sobre Roald aqui).

São histórias que beiram o que poderiamos classificar erroneamente de bizarro, de estranho. Mas pergunta se existe uma pessoa que não conheça Gremlins ou A Fantástica Fábrica de Chocolates? O excentrismo do Mr. Wonka, na verdade se explica pela sua história, sua infância, suas tristezas, sua solidão. Assim como todo ser humano.

E para o cinema, as adaptações pedem outros gênios do ‘diferente’, da ousadia, do novo, do plástico, da quebra de paradigmas, como Tim Burton em Sweeney Todd.

Wes Anderson que adaptou o livro de Roald, ‘Raposas e Fazendeiros’, para o filme de stop-motion ‘O Fantástico Sr. Raposo’. É certamente um filme que causa estranheza, tira você do lugar comum e é bem provável que a dificuldade de entender as entrelinhas, pode fazer você achar ruim.

O filme na verdade, faz um paralelo, da raposa, tão conhecida como símbolo de astuta e maliciosa, afinal, é uma predadora. Wes transporta para a animação, em um stop-motion tão duro, que parece mal feito, faz você pensar que usaram frames de menos. O choro dos personagem, é completamente fake.

A história que traz um antropomorfismo (semelhante a forma humana) dos personagens muito forte, transformando raposas em verdadeiros humanos, com problemas, fraquesas e demais mazelas humanas, em um paradoxo de fundir a ‘cuca’, pois na verdade, o objetivo todo, é mostrar que aquela pose de gente, esconde a verdadeira natureza animal, sua vontade e direito de ser assim.

Onde em meio a grandes problemas existenciais, a única coisa realmente divertida e vigorosa é caçar galinhas, algo meio sem glamour para alguém tão inteligente e de tão autoestima, que se autointitula ‘O Fantástico Sr. Raposo’. De uma certa modo, mostra de forma subliminar, a capacidade que temos de ser cada dia menos humanos, preocupados com tantas coisas, que na verdade, não alimentam nossos desejos, apenas ocupam nossas vidas, deixando o que realmente importa, reprimido, nos tornando cada dia mais frustrados e repletos de problemas que só a psicologia ou a psiquiatria poderão responder.

Talvez uma boa forma de refletir agora, em que todo mundo acha o suficiente, ficar duas semanas em férias, após passar um ano inteiro em um trabalho toma toda sua vida, e você pensando que com dinheiro, você pode comprar uma compensação.

Ficha Técnica

título original: The Fantastic Mr. Fox
gênero: Animação
duração: 1h27m
ano de lançamento: 2009
site oficial: www.ofantasticosrraposo.com.br
estúdio:

  • American Empirical Pictures
  • 20th Century Fox Film Corporation
  • Blue Sky Studios
  • Indian Paintbrush
  • 20th Century Fox Animation

distribuidora: 20th Century Fox
direção: Wes Anderson
roteiro: (baseado em livro de Roald Dahl)

  • Wes Anderson
  • Noah Baumbach

produção:

  • Wes Anderson
  • Allison Abbate
  • Jeremy Dawson
  • Scott Rudin

música: Alexandre Desplat
fotografia: Tristan Oliver
direção de arte:
edição: Andrew Weisblum
efeitos especiais:

  • Lip Sync Post
  • Stranger

Elenco

George Clooney (Sr. Raposo)
Meryl Streep (Sra. Raposa)
Adrien Brody (Rickity)
Owen Wilson (Técnico Skip)
Willem Dafoe (Rato)
Jason Schwartzman (Ash)
Bill Murray (Texugo)
Brian Cox (Boggis)