Os Espíritos – The Frighteners

Nunca fui nerd o suficiente para conhecer filmes pelo diretor. Salvo alguns mais conhecidos, que todo mundo conhece. Mas algo que nunca tinha feito foi procurar filmes pelo diretor. Geralmente costumo fazer isso através de atores e atrizes que eu gosto e que julgo serem uma aposta certa. Depois de ver tantas referências à diretores pela galera mais cinéfila, resolvi testar a experiência. Fui em busca de filmes antigos de diretores renomados. Nesta lista apareceu Peter Jackson com seu ‘Os Espíritos’ (The Frighteners), de 1996.

O interessante do dvd é que antecedendo o filme, Peter Jackson faz uma apresentação do longa que considera ser a sua primeira grande produção, com Michael J. Fox protagonizando o filme, no auge da carreira. Mas o interessante da apresentação de Peter Jackson sobre o filme, então no seu relançamento em formato DVD, em 2006, já consagrado como diretor após a trilogia de ‘O Senhor dos Anéis’, foi o fato de ele revelar que este filme possibilitou a criação e viabilização da adaptação dos livros de Tolkien. Ele conta que seu estúdio ainda na Nova Zelândia, tinha apenas um único computador. Para a produção de ‘Os Espíritos’, eles precisaram aumentar a estrutura para 37 computadores. E preocupado com o que fazer com tanta tecnologia extremamente cara, justamente trabalhando no início das aplicações de efeitos visuais por CGI, começou a negociar a adaptação de ‘O Senhor dos Anéis’. Seus filmes até hoje já arrecadaram 22 estatuetas do Oscar. Sendo indicado 36 vezes. Número que deve aumentar consideravelmente com o lançamento de O Hobbit.

‘Os Espíritos’ precisa ser visto com as limitações da época. Muito provavelmente, se você tiver menos de 20 anos, vai achar péssimo e não chegará ao fim. Para quem consegue imaginar a dificuldade de se produzir isso em 1996, vale a experiência.

Sinopse

Frank Bennister era um arquiteto talentoso e com futuro promissor. Porém sua esposa morre em um acidente de carro, onde Frank passa a ver espíritos. Deprimido e se culpando pela morte da esposa, ele abandona sua carreira e passa a viver como um médium capaz de limpar casas de maus espíritos. Na verdade alguns dos espíritos que Jack consegue ver, o ajudam neste truque, indo até algumas casas, fazendo uma assombração básica, onde ele obviamente é chamado para resolver. Porém Frank acaba se confrontando com um fantasma do seu passado, literalmente. Responsável por mortes misteriosas que acometem sua cidade.

Ficha Técnica

Título Original … The Frighteners
Origem … USA / Nova Zelândia
Gênero … Comédia / Terror
Duração .. 110 min
Lançamento … 1996
Direção … Peter Jackson
Roteiro … Fran Walsh e Peter Jackson

Detalhe: Walsh é esposa de Jackson. Casaram-se em 1987, onde começaram não só a parceria conjugal mas profissional. Walsh é co-roteirista de praticamente todos os filmes de Jackson.

Elenco

Frank Bannister como Michael J. Fox
Dr. Lucy Lynskey como Trini Alvarado
Ray Lynskey como Peter Dobson
O Juiz como John Astin
Milton Dammers como Jeffrey Combs
Patricia Ann Bradley como Dee Wallace-Stone
Johnny Charles Bartlett como Jake Busey
Cyrus como Chi McBride
Stuart – Assistente Fantasma de Bannister como Jim Fyfe

O Hobbit

Quinta-feira foi a primeira vez que fui em uma pré-estreia as 00h:01min. No cinema, fui assistir ‘O Senhor dos Anéis – As Duas Torres’ e ‘O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei’. Fiquei com a frustração de não ter visto ‘A Sociedade do Anel’, mas nem poderia pois confesso que não conhecia os livros de Tolkien naquela época, muito menos sabia que houve uma adaptação para o cinema. Eram outros tempos, afinal fazem 10 anos que o filme foi lançado. Me recordo de ver alguns trailers, mas só conheci toda a história a partir de um DivX que peguei emprestado de um amigo.

O momento mais entusiasmante para mim foi exatamente o momento em que o anel é mostrado no Hobbit e a trilha do primeiro filme volta a ser tocada. Também gostei demais da canção dos Anões que aparece nos trailers que foram divulgados do filme. Gravei os segundos iniciais para lembrar deste momento…

Um Olhar do Paraíso

Este filme tem um importante ‘cartão de visitas’. Foi dirigido por ninguém menos que Peter Jackson, diretor da trilogia ‘O Senhor dos Anéis’.

‘Um Olhar do Paraíso’ é o último filme de Jackson antes do lançamento da trilogia ‘O Hobbit’. A obra, uma adaptação para o cinema do romance homônimo da escritora Alice Sebold. No Brasil recebeu o nome de ‘Uma Vida Interrompida’. Tanto no lançamento literário e cinematográfico não tiveram ‘coragem’ de usar uma tradução literal que seria algo como ‘Os Amáveis Ossos’. Toda a história tem uma densidade muito grande, abrandada pela percepção de um pós-vida. Em momentos o filme chega a parecer uma obra espírita, porém agrega uma grande parte de drama policial.

Infelizmente as traduções feitas no Brasil, tiram esta dualidade da obra e a agressividade e densidade da história e da escrita de Alice Sebold que por muitas vezes soa como algo mórbido. A representação do céu no entando não fica evidente, ao menos no filme, já que a protagonista está em uma espécie de limbo, onde ainda tenta voltar a vida, inconformada com sua morte. Este é o núcleo do romance, uma menina de 14 anos que é estuprada e morta, sendo que ela é a narradora da sua própria vida e consequentemente de sua morte. Alice Sebold tem uma característica muito específica de escrever, tratando de um assunto bastante denso, porém de forma muito poética, figurativa, simbólica e fantasiosa.

Para você gostar do filme, precisa estar preparado para uma história nova, algo que caminha por inúmeras vertentes diferentes. Se você é muito preso(a) a formatos clássicos de filme, se possui restrições religiosas ou alguma necessidade de explicações mais fundamentalistas, talvez você não goste do filme.

No papel da protagonista Susie, está a talentosa Saoirse Ronan que eu já havia elogiado pela atuação no filme Hanna. Saoirse Ronan é uma jovem atriz muito comedida nas suas atuações. Não é o típico talento precoce que está em uma obra porque sabe chorar com facilidade ou coisas do tipo. As diferentes atuações nestes filmes completamente diferentes entre si, prova que é uma atriz com muitos recursos e que provavelmente se tornará um dos grandes nomes de uma nova geração.

Além da jovem atriz, o filme traz atores conhecido do público:  Mark Wahlberg é o pai de Susie, Jack Salmon. Stanley Tucci está irreconhecível no papel do estuprador e assassino George Harvey. Rachel Weisz está perfeita no papel de Abigail Salmon, mãe de Susie e Susan Sarandon é a avó. Para completar a família, as irmãs na vida real Lynn e Rose McIver interpretam a irmã Lindsey Salmon, pois existe uma passagem de tempo na história.

Falar mais do filme é dar spoiler, portanto nem colocarei uma sinopse. Assista, recomendo e volte para dizer se eu estava certo.