Iceberg – Duca Leindecker

Acho que era o ano de 1998. Estreava em Porto Alegre um programa de rádio muito diferente, o Pijama Show, comandado por Everton Cunha, mais conhecido como Mr Pi. O Pijama Show talvez tenha sido um dos poucos programas da Rádio Atlântida, onde a programação não seguia nenhuma regra ‘jabalesca’. Foi assim que Mr Pi tocava o que queria e aos poucos apresentou para Santa Catarina, as bandas que viviam do cenário gaúcho. A Cidadão Quem já havia feito música em novela global, já havia gravado com grandes gravadoras, mas as raízes continuavam no Rio Grande. Eu já conhecia a Cidadão Quem, mas era aquela coisa: ouve, gosta, mas não sabe ligar o nome a pessoa, neste caso: música a banda. Passei a ouvir, virei fã, fui atrás das canções.

Sete anos depois, entrei no site da Cidadão Quem, poucas informações. Pensei comigo: ‘Uma banda deste nível, merece um site a altura’. Escrevi um email despretensioso me apresentando. Alguns dias depois, uma resposta. Lembro de pensar que certamente aquele momento, mudaria minha vida de alguma forma. Pouco tempo depois estava encontrando a banda em Santa Catarina, em um show na praia de Penha. E pensar que eu nem sabia que eles haviam recém gravado um álbum acústico, o conhecido ‘Cidadão Quem no Theatro São Pedro’, gravado em Porto Alegre. Sugeri ao produtor que deveríamos desenvolver um projeto específico para o álbum. Ele relutou no início, pois tinha medo de dar uma vida útil muito curta ao site. Acabou aceitando quando disse que faríamos um outro, quando precisasse.

O resultado foi tão positivo que a banda fechou o álbum com mais de 200 shows, em apresentações nacionais e fora do país. O engraçado nesta história é que o Duca, vocalista e guitarrista, não usava mais internet. Ele não tinha perfil no recém famoso Orkut (faz tempo), não usava MSN e pouco respondia emails. Com o sucesso do site, o Duca foi obrigado a participar mais destas novas mídias. Tempos depois, seria por esta mesma internet que aconteceria a parceria entre Humberto Gessinger e Duca Leindecker, na composição da canção ‘A Força do Silêncio’, gravada no álbum ‘7’ e posteriormente a criação do projeto Pouca Vogal. É interessante como de fato, quando olhamos para trás, podemos ver onde a história das nossas vidas vai tomando caminhos diferentes, escolhendo que lado seguir em infinitas encruzilhadas.

Eu ainda fiz outro site para a banda, que ainda está no ar. A produtora se defez, meu contato com o Duca ficou restrito as redes sociais e hoje me resta acompanhar e admirar este ídolo que virou amigo. Em um email que ele me mandou, dizia o quanto gostaria de estar mais perto das pessoas, mas infelizmente esta era a vida que ele havia escolhido. Eu me contento portanto em ver suas conquistas e torcer aqui distante.

Duca é um Midas da arte. Todos os seus projetos e manifestações artísticas funcionam muito bem. Foi assim nas bandas que passou, foi assim na literatura, foi assim como produtor, como compositor de trilhas, como música, como instrumentista, como parceiro musical. Agora ele deixa o Pouca Vogal, um projeto que deu tão certo que certamente durou mais tempo do que ambos planejavam (eu acho). Agora tanto o Duca quanto o Humberto entram em projetos solos. Não é a volta da Cidadão e nem mesmo do Engenheiros, mas o importante mesmo é ter trabalho novo destes caras que eu tanto admiro. Se você ainda não viu, Duca lançou ontem o clipe de ‘Iceberg’, canção que fará parte do álbum ‘Voz, Violão e Batucada’, que chega em abril. Continuando o que fez com o Pouca Vogal, Duca se multiplica e vira muitos: cantando, batucando e tocando o violão, fazendo tapping e tocando com os pés um bombo leguero e um pandeiro, tudo junto e ao mesmo tempo. É o que Humberto talvez definiria como ‘ O Exército de um Homem Só’.

Tapping para quem não sabe é esta técnica que você verá no clipe, onde o músico ‘martela’ notas na escala do instrumento, geralmente usando as duas mãos. Aproveite e curta o clipe muito bonito produzido por Rene Goya Filho, um dos diretores mais importantes do sul do país, diretor na ‘Estação Elétrica’, que lançou mais de uma dúzia de dvds de bandas aqui do sul.

Eu que já tive a chance de ver uma canção sendo composta no quarto de hotel e depois ouvir ela tomando a multidão nos shows, estou feliz em ouvir uma canção nova na voz deste cara tão do bem, um dos vocais mais bonitos que temos no Brasil. Duca é sem dúvida um músico fantástico e está cada vez mais sofisticado e inovador no que faz. Espero que este seja um novo recomeço de mais um grande sucesso, de todos os sucessos que ele já fez.

Band of Horses – Mirage Rock

O Band of Horses, originalmente conhecida por um breve período como Horses, é uma banda americana de rock formada em 2004 em Seattle, nos Estados Unidos, por Ben Bridwell. A banda lançou até hoje quatro álbuns de estúdio, sendo que o trabalho mais bem sucedido e indicado ao Grammy 2010 foi Infinite Arms, o terceiro da carreira. A formação da banda incluiu Mat Brooke no álbum de debut e sofreu várias alterações, embora, os atuais membros: Bridwell, Ryan Monroe, Tyler Ramsey, Bill Reynolds e Creighton Barrett, já eram a base inicial da banda.

Recentemente o Band of Horses lançou seu quarto álbum de estúdio: Mirage Rock, lançado em setembro de 2012. Eu conheci o Band of Horses como conheci outras bandas do cenário indie, pesquisando na iTunes. Apesar de uma de suas canções mais conhecidas ser ‘The Funeral’ do álbum Everything All the Time, a música que me ganhou foi ‘Factory’ do penúltimo álbum ‘Infinite Arms’.

Neste novo trabalho da banda, a primeira música que me chamou a atenção é ‘Slow Cruel Hands of Time’ que me lembrou B.J. Thomas com sua icônica Rock and Roll Lullaby, não sei se são alguns acordes, o tom da voz, a levada ou apenas uma sensação saudosista.

Playlist Mirage Rock

  1. Knock Knock
  2. How to Live
  3. Slow Cruel Hands of Time
  4. A Little Biblical
  5. Shut-In Tourist
  6. Dumpster World
  7. Electric Music
  8. Everything’s Gonna Be Undone
  9. Feud
  10. Long Vows
  11. Heartbreak On the 101

Rhythm and Repose – Glen Hansard

Rhythm and Repose é o primeiro álbum solo do músico Glen Hansard, vocalista, guitarrista e membro fundador do grupo de rock irlandês The Frames. Após nove álbuns com o The Frames e três álbuns com seu projeto The Swell Season ao lado de Marketá Irglová, é o momento de entender quanto do Hansard estava impresso nestes dois projetos. Independente da temática ou sonoridade do álbum, qualquer projeto que tenha a assinatura de Hansard pode e deve ser comprado with eyes closed.

Rhythm and Repose tem a produção do ninguém menos que Thomas Bartlett, o mesmo produtor da sensacional banda The National. Na apresentação do álbum feita pela iTunes resumem:

Assegurando o equilíbrio orgânico do piano, guitarras acústicas e guitarras sólidas com um baixo permeando, o álbum capta a sensação de uma pequena banda tocando no seu canto da sala. É um tour de force.

Tour de Force é uma expressão francesa usada para definir algo muito difícil, executado com extrema habilidade. Tem algo mais a dizer? Rhythm and Repose foi lançado no último dia 12 de junho e recebeu uma versão normal e uma versão Deluxe, que traz três canções bônus, entre elas a mais executada do álbum ‘Come Away to the Water’, seguida da faixa 2 ‘Maybe Not Tonight’. De fato o álbum está muito menos denso e melancólico que as canções com o The Swell Season, mudanças também presentes no álbum solo de Irglová.

Playlist

  1. You Will Become 3:48
  2. Maybe Not Tonight 5:30
  3. Talking With the Wolves 4:43
  4. High Hope 3:55
  5. Bird of Sorrow 5:50
  6. The Storm, It’s Coming 3:28
  7. Love Don’t Leave Me Waiting 4:17
  8. What Are We Gonna Do 3:00
  9. Races 4:33
  10. Philander 3:51
  11. Song of Good Hope 3:47
  12. Come Away to the Water (Bonus Track)3:45
  13. This Gift (Bonus Track) 4:48
  14. Rare Bird (Bonus Track) 3:34

Download

Em breve coloco um link aqui…

Regina Spektor – Novo álbum

Eu já acompanho a carreira da Regina Spektor desde 2008 e podia jurar que já havia falado sobre ela aqui.

Bio

Regina Spektor ou Pernha Cnektop, no alfabeto cirílico*, nasceu em 18 de fevereiro de 1980, em Moscou. Regina é cantora, compositora e pianista. Hoje radicada no Estados Unidos, sua música é associada ao cenário antifolk de NY, no East Village. Regina nasceu ainda na extinta União Soviética e teve influência da família para escolher sua profissão. Sei pai era fotógrafo e violonista amador e sua mãe era professora de música da Universidade de Música Russa. Atualmente leciona em uma escola pública em NY. Suas primeiras influências musicais foram The Beatles e Queen, que ela ouvia em fitas cassetes que seu pai conseguiu.

Por questões políticas e religiosas, sua família emigrou para a Áustria, Itália e finalmente para os Estados Unidos. Inicialmente seu interesse era apenas pela música clássica, devido sua formação em piano clássico, depois vieram as influências de hip hop, rock e punk.

Regina se formou pelo Conservatório de Música no Colégio Purchase em apenas três anos, quando o tempo normal seria de quatro anos. Regina diz ter criado mais de 700 canções, sendo raras aquelas autobiográficas. Nas influências diretas de suas canções está uma verdadeira salada de frutas com folk, punk, rock, música judaica, russa, hip hop, jazz e claro, música clássica. Comparações musicais ficam por conta de Tori Amos e Fiona Apple, já nos vocais se assemelha mais a Björk.

A primeira tour da sua carreira foi abrindo shows do The Strokes, entre 2003 e 2004. O Kings of Leon também abriu shows do The Strokes e por isso, convidaram Regina para abrir shows da banda quando se tornaram mais populares. Em 2005 também abriu shows para a banda inglesa Keane. Apesar de tentar cantar apenas composições próprias, já fez covers do mestre Leonard Cohen e Madonna. Sua primeira tour com shows próprios foi em 2006 e 2007 passando pelos Estados Unidos e Europa, tocando um cover de John Lennon para a canção ‘Real Love’.

No Brasil ela ficou conhecida após a canção Fidelity ser adicionada à trilha de ‘A Favorita’, novela da Globo.

Discografia

1999 Demo Cassette – Não Lançado
2001 11:11 – Independente
2002 Songs – Independente
2003 Soviet Kitsch – Independente
2004 Soviet Kitsch – Relançado pelo selo Sire
2006 Begin to Hope – Sire
2009 Far – Sire
2010 Regina Spektor Live in London – Sire
2012 What We Saw from the Cheap Seats – Sire

Trilhas

As canções de Regina Spektor já embalaram alguns filmes e séries, entre ele:

2007 – Grey’s Anatomy
2008 – As Crônicas de Nárnia – Príncipe Caspian
2009 – (500) Dias com ela
2009 – Uma Prova de Amor
2011 – Amor e outras Drogas
2011 – A Fera

What We Saw from the Cheap Seats

O mais novo álbum de Spektor foi lançado na última sexta, dia 25, com duas versões: normal e deluxe. Os destaques iniciais ficam por conta das canções Don’t Leave Me e All the Rowboats.

Playlist

  1. Small Town Moon 2:59
  2. Oh Marcello 2:36
  3. Don’t Leave Me (Ne me quitte pas) 3:37
  4. Firewood 4:51
  5. Patron Saint 3:38
  6. How 4:45
  7. All the Rowboats 3:33
  8. Ballad of a Politician 2:13
  9. Open 4:27
  10. The Party 2:25
  11. Jessica 1:44

Exclusivo da versão DE

Call Them Brothers (feat. Only Son) 3:07
The Prayer of François Villon (Molitva) [Cover Song in Russian] 3:33
Old Jacket (Stariy Pedjak) [Cover Song in Russian] 2:04

Download

Em breve disponibilizo um link para o download quem não usa iTunes e não tem onde comprar o álbum. Quem quiser comprar na AppStore é só clicar no link abaixo.

* Alfabeto cirílico também conhecido como Azbuka, é um alfabeto cujas variantes são utilizadas para a grafia de seis línguas nacionais eslavas (bielorrusso, búlgaro, macedônio, russo, sérvio e ucraniano), além do ruteno, e outras línguas extintas. Para além disso é usado por várias línguas não-eslavas, faladas na antiga União Soviética – como o mongol, o cazaque, o uzbeque, o quirguiz e o tadjique, entre outras da Europa Oriental, do Cáucaso e da Sibéria.

The Ting Tings – Sounds From Nowheresville – Novo Álbum

Seria muito pouco provável que eu gostasse deste duo. O The Ting Tings tem um som muito semelhante a banda brasileira ‘Cansei de Ser Sexy’, a diferença é que eles são bons no que fazem. Eu não vou contar novamente tudo que sei sobre eles, mas você pode ler o post que escrevi sobre o The Ting Tings, lá em agosto de 2010.

Após o primeiro álbum ‘ We Started Nothing’ em 2008 e o single ‘Hands’ em outubro de 2010, minha expectativa era conhecer o segundo álbum do duo ainda no início de 2011, por algum motivo o projeto só saiu agora, no início de 2012. Na iTunes você encontra duas versões do álbum ‘Sounds from Nowheresville’. A versão normal traz 10 canções, enquanto a versão Deluxe/Explicit traz 19 músicas. Os destaques de execução do álbum ficam por conta da já conhecida ‘Hands’, lançada antecipadamente como single, seguida de perto por ‘Hang it Up’.

Ouça: Hands 

Ouça: Hang It Up

Playlist

  1. Silence 3:46
  2. Hit Me Down Sonny 2:51
  3. Hang It Up 3:11
  4. Give It Back 3:35
  5. Guggenheim 3:56
  6. Soul Killing 3:16
  7. One By One 3:44
  8. Day to Day 3:32
  9. Help 3:01
  10. In Your Life 2:58

Playlist Deluxe Edition

  1. Silence 3:46
  2. Hit Me Down Sonny 2:51
  3. Hang It Up 3:11
  4. Give It Back 3:35
  5. Guggenheim 3:56
  6. Soul Killing 3:16
  7. One By One 3:44
  8. Day to Day 3:32
  9. Help 3:01
  10. In Your Life 2:58
  11. Silence (Bag Raiders Remix) 4:20
  12. Hang It Up (Inertia Remix) 3:58
  13. Give It Back (Demo) 4:23
  14. Hang It Up (Abacus & Vargas ‘Predator’ Remix) 3:34
  15. Hands 3:19
  16. Guggenheim (Got It Right Mix) 4:13
  17. Hang It Up (Shook Remix) 4:37
  18. Ain’t Got S**t 4:00
  19. Hang It Up (CKB Remix) 5:57

No Brasil

Adivinha quem estará no Brasil? É meus amigos, se você gosta ou passou a gostar do The Ting Tings após ler este post, vai poder curtir eles aqui em terras tupiniquins. Vou falar sobre este show em um post exclusivo.

Toma essa S.O.P.A

Uma das coisas que sempre gostei de fazer no blog é trazer novidades musicais. Tentar ser um pouco original nos artistas que abordo, para promover um pouco de renovação naquela mania de só falar de quem já é sucesso. Eu falo de quem eu gosto, sendo alguém famoso, sendo alguém começando a ser famoso ou alguém que está longe de qualquer holofote.

Nessas buscas sobre novas canções, novos cantores, cantoras e bandas, acho que exagerei. Olhe a data de lançamento do álbum da cantora Birdy, na loja da iTunes e abaixo os arquivos do meu HD…

Quer a prova de que eu realmente já tenho estes arquivos há algum tempo? Olha este artigo que escrevi em 19 de novembro de 2011.

Next Posts