People’s Choice Awards

Em 2010, o VMB foi bastante polêmico, repleto de vais diante do fenômeno chamado ‘Restart’. A gurizada levou nada menos que cinco prêmios para casa. Tudo consequência do método de votação, diretamente vindo do público.

Essas votações são claramentes quantitativas e talvez pouco qualitativas, as palavras são parecidas mas possuem sentidos muito diferentes. A quantidade de votos não está ligada necessariamente a qualidade, mas a quantidade de público. Um fato que não anula o outro, afinal arrebatar multidões também tem ser méritos. A discussão é longa.

Ontem estava assistindo o ‘ People’s Choice Awards ‘, que como o nome sugere, é uma premiação feita pela eleição do público. E em uma realidade informatizada, não é difícil entender porque os destaques serão aqueles que agradam a galerinha mais nova.

Não foi diferente nos USA se você achava que usariam outro critério. Entre as estrelas da noite, cantores e atores teens, como o power trio da saga Crepúsculo.

Mas tiveram dois momentos emblemáticos no evento. Primeiro foi o anúncio de ‘Favorite Movie Actor’. A escolha estava entre:

Johnny Depp*
Leonardo DiCaprio
Robert Downey Jr.
Robert Pattinson (Crepúsculo)
Taylor Lautner (Crepúsculo)

Incrivelmente Mr. Depp conseguiu desbancar os modeletes da saga Crepúsculo. Um feito que definitivamente merece destaque. É quase um prêmio duplo, não só o fato de ser o mais votado, mas conseguir ser o mais votado entre os dois garotos mais amados pelas adolescentes do mundo inteiro. Talvez esta tenha sido justamente uma explicação, os votos podem ter se dividido e Depp veio correndo por fora.

Mas realmente parece queo pirata Jack Sparrow ainda continua no imaginário das mulheres. Parece que ele continua roubando outros corações além de Davy Jones.

Outro momento marcante, desta vez de forma embaraçosa, foi a escolha de ‘Favorite Breakout Artist’ que seria o mesmo que artista revelação. Entre ‘ as ‘ concorrentes:

Selena Gomez & The Scene*
B.o.B.
Bruno Mars
Justin Bieber
Ke$ha

Me desculpem os fãs desta menina, Selena Gomez, mas foi vergonhoso ela cantar metade da música sozinha e você não conseguir ouvir uma frase da música, até o momento em que entram as backing vocals e fizeram todo o trabalho para ela. Eu entendo que existe uma diferença entre um cd e uma apresentação ao vivo, mas esta foi demais. Constrangimento na certa. Tirou toda a credibilidade da premiação.

Pensando bem, se a Ke$ha levasse o prêmio, a vergonha seria igual.

Estréias de Janeiro

Para não deixar você perder as principais estréias do mês, vou sempre publicar as datas aqui, assim você não se perde nunca. Novamente reforçando que são as estréias mais comuns ao país inteiro, sabemos que em grandes cidades, existem muitos outros filmes correndo por fora.

O Livro do Eli

Quando aluguei ‘O Livro de Eli’ (The book of Eli) eu tinha a impressão de se tratar de um bom filme. Não sei se por trazer Denzel Washington e Gary Oldman nos papéis principais ou se ouvi alguma crítica positiva sobre o filme. Assisti há mais de um mês, porém só agora estou falando dele.

No início, confesso que achei que meu dvd estivesse com problemas, pois uso um projetor e o cabo que usei realmente estava com mal contato, o que deixava a tela em preto e branco. Para piorar, o filme todo tem uma tonalidade esverdeada, quase cinza (igualzinho o que você está vendo no poster). Grande parte do filme acontecesse nesta configuração colorífica…rs

A história se passa em um mundo pós-apocalíptico que lembra muito Mad Max. Se você nasceu na década de 90 nem deve saber do que se trata. Confesso que não tava com muita paciência para esquisitices e quebra-quebra de filmes do gênero, com muito barulho e pouco conteúdo. Mas já que estava na chuva…

O filme apesar de manter este clima denso, violento e caótico, tem um tema central muito interessante. Não vou contar o filme, mas tudo gira obviamente, em torno de um livro. Um único exemplar que está em posse de Eli (Denzel Washington) e que tem uma missão de leva-lo até um determinado lugar, que ele não sabe bem onde fica e nem porque é tão importante assim, cumprir essa missão.

Todos nós temos fé, uma religião, uma crença e até mesmo fé nenhuma. Mas você já imaginou a hipótese de ninguém acreditar em nada? Se nunca tivessemos ouvido falar em Deus, como você acha que seria esse mundo? Sem os julgamentos éticos e sociais e o temor de um julgamento divino. Como seria? Porque você seria uma boa pessoa? Você cometeria um crime se soubesse que ninguém ficaria sabendo, nem mesmo Deus?

Existiria o remorso? A culpa? O amor? A compaixão?

É um filme profundo, acredite.

Curiosidades

O filme é dirigido pelos irmãos gêmeos Allen e Albert, mais conhecidos como os ‘Hughes Brothers’. Suas produções são conhecidas pela densidade dos temas e a dramaticidade de suas produções. Em 2001 com Johnny Depp e Heather Graham, fizeram ‘Do Inferno’ (From Hell), baseado na história real de Jack – O Estripador.

No filme, Eli usa um iPod para ouvir músicas durante a sua jornada. Em um lugar onde carregar uma bateria pode valer muito.

Ficha Técnica

Título Original: The Book of Eli
Gênero: Ficção Científica
Duração: 01 hs 58 min
Ano de lançamento: 2010
Site oficial: http://www.olivrodeeli.com.br
Estúdio: Alcon Entertainment / Silver Pictures
Distribuidora: Warner Bros. Pictures
Direção: Albert Hughes , Allen Hughes
Roteiro: Gary Whitta
Produção: Broderick Johnson, Andrew A. Kosove, Joel Silver, David Valdes e Denzel Washington
Música: Atticus Ross, Leopold Ross e Claudia Sarne
Fotografia: Don Burgess
Direção de arte: Christopher Burian-Mohr
Figurino: Sharen Davis
Edição: Cindy Mollo

Elenco

Denzel Washington (Eli)
Gary Oldman (Carnegie)
Mila Kunis (Solara)
Ray Stevenson (Redridge)
Jennifer Beals (Claudia)
Evan Jones (Martz)
Joe Pingue (Hoyt)
Frances de la Tour (Martha)
Michael Gambon (George)
Malcolm McDowell (Lombardi)

Sempre ao seu lado

‘Sempre ao seu lado’ é um filme baseado em uma história real, de tão fantástica, torna-se quase que inacreditável. Se não fosse real, não gostaria do filme, achando fantasioso demais. Mas a história de fidelidade de Hachiko, ou apenas Hachi, é comovente. A produção do filme fez jus a qualidade e importância da história a ser contada. Com uma bela trilha sonora, o filme já traz uma aura de drama desde a primeira nota de piano.

No dvd, antes de clicar em ‘Iniciar Filme’, a trilha já lhe transporta para a atmosfera do mundo deste irresistível caozinho da raça Akita.

No Japão essa raça é conhecida por inúmeras histórias de fidelidade extrema aos seus donos, mas Hachi era ainda mais especial. Na época em que Hachi viveu, entre 1924 – 1935 haviam apenas 30 cães puro-sangue da raça Akita em todo o país, incluindo Hachi.

Para aqueles que ainda não conhecem esta história, é interessante assistir o filme sem conhecer seu desfecho. Eu já conhecia a história original, bastante adaptada para o filme, começando pelo fato do ator não ser um japonês. Mesmo assim achei muito emocionante, um dos melhores filmes de Richard Gere e certamente um dos melhores filmes que eu assisti.

A trilha sonora que elogiei antes, foi feita por “Jan A.P. Kaczmarek” que já produziu trilhas famosas como a do belo filme ‘Em Busca da Terra do Nunca’ com Johnny Depp e Kate Winslet no qual levou o Oscar® de Melhor Trilha Sonora Original.

É tudo muito bom neste filme, você precisa assistir. Em breve vou publicar aqui a trilha sonora completa do filme, totalmente instrumental.

Ficha Técnica

Título original:Hachiko: A Dog’s Story
Gênero:Drama
Duração:01 hs 33 min
Lançamento:2009
Site oficial: http://www.hachithemovie.com/
Direção: Lasse Hallström
Roteiro: Stephen P. Lindsey, baseado em roteiro de Kaneto Shindô
Produção: Richard Gere, Bill Johnson e Vicki Shigekuni Wong
Música: Jan A.P. Kaczmarek
Fotografia: Ron Fortunato
Direção de arte: Jordan Jacobs

Elenco

Richard Gere (Parker Wilson)
Sarah Roemer (Andy Wilson)
Joan Allen (Cate Wilson)
Cary-Hiroyuki Tagawa (Ken)
Jason Alexander (Carl)
Erick Avari (Shabir)

Post Scriptum: Fico realmente decepcionado de ver comentários sobre o filme comparando com ‘Marley e Eu’, comparações são sempre ignorantes e limitadoras. Ou ainda pessoas que descrevem o filme dizendo: ‘Quem gosta de cachorros vai gostar do filme’. Acredito que a história de ‘Sempre ao seu lado’ vai muito além de uma história de lealdade canina, mas da dificuldade de aceitar o fim, de reavaliar como nos relacionamos com a perda. É uma história foge da nossa compreensão, não apenas uma história feliz ou triste sobre o relacionamento de um cão com seu dono. Não é filme para Sessão da Tarde. Eu sinceramente detesto críticos de cinema e comentários em sites, são sempre despropositais, sem critérios e sem cuidados. Cada filme cria com você uma relação particular de envolvimento, o máximo que eu posso falar para você é: gostei e recomendo. O quanto o filme é bom isso depende de como ele lhe afetará.

Roald Dahl

O escritor Roald Dahl nasceu no distrito de Llandaff no País de Gales em 13 de Setembro de 1916.

Você provavelmente nunca ouviu falar de Roald, mas com certeza conhece algumas de suas obras. A principal obra que lhe rendeu fama mundial foi o livro ‘A Fantástica Fábrica de Chocolate’ (Charlie and the Chocolate Factory).

Sua imaginação foi muito estimulada na infância pelas histórias que sua mãe lhe contava sobre os trolls, as míticas criaturas das lendas norueguesas. Oriundo de uma família de comerciantes noruegueses, o pai faleceu quando tinha apenas quatro anos. Para que tivesse uma boa educação, a mãe vendeu as suas jóias e o enviou a um colégio particular em Derbyshire, que o marcou pela brutalidade instituída.

Concluídos os seus estudos aos dezoito anos de idade, preferiu juntar-se a uma expedição pesqueira Terra Nova’ (Terra nova é uma ilha no noroeste do Oceano Atlântico) em vez de prosseguir para a universidade.

Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial, alistou-se na Royal Air Force, voando em missões sobre a Grécia, sobre a Síria (onde ficou ferido) e a Líbia (onde fraturou o crânio após a sua aeronave ter sido abatida). Em convalescença do seu traumatismo, terá tido sonhos estranhos cuja recordação procurou anotar. Assim, instigado por C.S. Forester (Pseudônimo de Cecil Louis Troughton Smith um escritor Britânico que escrevia livros com temas de guerra), publicou o seu primeiro conto ‘A Piece of Cake’, no Saturday Evening Post (revista publicada nos Estados Unidos entre 1821 e 1969).

Em 1942 foi destacado para Washington como adido de aeronáutica para o Serviço de Segurança Britânico, sendo promovido a comandante de esquadrão no ano seguinte. Nesse mesmo ano de 1943 publicou o seu primeiro livro infantil, The Gremlins, destinado a servir de roteiro para um filme dos estúdios de Walt Disney.

O livro ‘Charlie and the Chocolate Factory’ (A Fantástica Fábrica de Chocolate) recebeu duas adaptações para o cinema. A última transposição do conto para a telona foi com o filme homônimo do diretor Tim Burton, com o ator Johnny Depp no papel de Willy Wonka. A primeira adaptação ao cinema foi dirigida por Mel Stuart em 1971, com adaptação feita pelo próprio escritor. Essa primeira versão para o cinema teve Gene Wilder como o polivalente Mr. Wonka.

De sua autoria são também, outros livros que ficaram famosos na telinha como:

‘Os Gremlins’ (The Gremlins) – escrito em 1943 – Adaptado para o cinema por Chris Columbus
‘Matilda’ – escrito em 1988 – Adaptado para o cinema em 1996
‘James e o Pêssego Gigante’ (James and the Giant Peach) – escrito em 1961 – Adaptada por Tim Burton

Escreveu outros livros importantes como  ‘O Pároco de Nibbleswicke’ (The Vicar of Nibbleswicke), com ilustrações de ‘Quentin Blake’, que teve seus direitos totalmente destinados ao tratamento de crianças com síndromes neurológicas. Seu livro ‘As Bruxas’ (The Witches) foi censurado e consta da lista de livros censurados. Roald morreu em em 1990, decorrente de uma doença no sangue. Seus livros porem, não perderam a popularidade. Somente as edições no Reino Unido já alcançaram 30 milhões de exemplares, com mais de um milhão a cada ano.

A preocupação de Roald Dahl em ajudar crianças que necessitavam de cuidados médicos, foi perpetuada pela sua esposa, que continuou seu projeto após sua morte, com a Fundação Roald Dahl com doações para as áreas de alfabetização e neurologia.

Atualizando (17.12.10)

Seu último livro adaptado ao cinema, foi o longa de animação ‘O Fantástico Sr. Raposo’ (Fantastic Mr. Fox) – escrito em 1970 e adaptada ao cinema em 2009 pelo diretor Wes Anderson.

Tim Burton

Acessando o site de uma antiga amiga, estava lendo um artigo sobre o filme “O Estranho Mundo de Jack”. Como era sábado, ir na locadora acreditando que vai ter um lançamento fresquinho na prateleira esperando para ser locado é coisa de idiota frustrado, peguei o hábito de alugar filmes que já não figuram na lista “Devolução em 24hs”.

Para ficar simples, comecei acessar a filmografia de atores e diretores que eu gosto. Vejo na listagem quais eu ainda não ví e ‘fecho o pacote’, afinal tem muita coisa que acabamos perdendo pelo caminho. Como ela citava Tim Burton, pensei: tá aí.

Aluguei Marte Ataca, um filme que traz atores famosos como Jack Nicholson, Glen Close, Annette Benning, Prierce Brosnam e Danny DeVito e a animação James e o Pêssego Gigante.

Eu até achei que teria uma lista gigantesca de filmes para assistir, mas nem eram tantos. Em negrito os filmes que eu já assisti sob a direção de Tim Burton.

1982  Hansel and Gretel(TV)
1982 Vincent
1984 Frankenweenie
1985 As Grandes Aventuras de Pee-wee
1986 Alladin e a Lâmpada Maravilhosa
1986 Alfred Hitchcock Presents: The Jar (TV)
1988 Os Fantasmas Se Divertem
1989 Batman
1990Edward Mãos-de-Tesoura
1992 Batman o Retorno
1993 The Nightmare Before Christmas – O Estranho Mundo de Jack
1994 Ed Wood
1994 Um Gaiato no Navio
1996 Marte Ataca!
1996 James e o Pêssego Gigante

1999 A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
2001 Planeta dos Macacos
2003 Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas
2005 A Fantástica Fábrica de Chocolate
2006 A Noiva-Cadáver
2007 Sweeney Todd

Quer saber mais sobre ele?

Timothy William Burton (Burbank, Califórnia, 25 de agosto de 1958) é um cineasta americado. Trabalha usualmente com temáticas sombrias. Amante dos grandes nomes dos filmes de terror, já realizou projetos sobre Ed Wood e chamou para estrelar seus trabalhos os notórios atores de filmes de terror: Vincent Price e Christopher Lee. É noivo da atriz Helena Bonham Carter, (Atriz de Sweeney Todd) com quem tem dois filhos.

Muitos filmes dirigidos por Tim Burton tem a participação de Johnny Deep. Confira a lista:

Além destes filmes, todo o trabalho de preparação do famoso personagem Jack Sparrow de Piratas do Caribe teve participação de Tim Burton na sua concepção visual.

Previous Posts