Mell Peck – Uma paixão em um minuto

Você não precisará mais que isso para cair de amores por esta cantora brasileira, moradora da cidade gaúcha de Sapucaia do Sul. Tudo bem, talvez sua beleza e suas inúmeras tatuagens estivessem influenciando minha capacidade de discernimento. Resolvei então ouvir mais que um minuto, passei a achá-la ainda mais talentosa e bela. Eu estava certo, Mell com perdão do trocadilho, possui uma das vozes mais doces que eu já ouvi.

Conheci o trabalho da Mell através da canção ‘Dia Especial’, uma regravação da banda gaúcha Cidadão Quem, banda que eu atendi de 2004 até o seu fim definitivo em 2014. Depois vieram a versão do Pouca Vogal, projeto que também envolve meu amigo Duca Leindecker. Eu precisava ouvir mais, e sua canção virou trilha sonora dos meus dias. Você deve estar achando que estou exagerando, mas pense por um minuto no resultado de uma bela cantora, com uma bela voz, com uma ótima capacidade de reestruturar excelentes canções e com escolhas musicais extremamente precisas.

Na sua lista de covers ela passa por: The Cranberries (Aliás, sua voz em muito se assemelha a Dolores O’Riordan), ColdPlay, Alexandre Nero, Los Hermanos, Enya, Charlie Brown, Linkin Park, The Corrs, Clarice Falcão, Legião Urbana, Paralamas, Tiê e uma lindíssima e surpreendente versão de Misty Mountains Cold, tema da trilogia O Hobbit.

Ela consegue inclusive fazer versões de bandas ou cantores que eu não acompanho muito, mas que acabam ficando excelentes em sua voz. Eu cai de amores deliberadamente pela Mell e tenho certeza que em um futuro breve, compartilharei desta paixão com milhares de pessoas. Vou escolher alguns vídeos para você aproveitar a oportunidade e incluir a Mell Peck em seus dias também, assim como fiz. Tem inúmeras canções em seu canal. Ouça todas…

Como seguir a Mell Peck:

YouTubeInstagramFacebookSoundcloud


 

Dia Especial – Cidadão Quem

Acho – Alexandre Nero

A Noite – Tiê

Cidadão Quem – Nosso Próprio Mar

Cidadão Quem? A pergunta não é um trocadilho com o nome, mas a inesperada notícia do retorno de uma das melhores bandas do rock nacional, que parou suas atividades lá em 2008. Para quem não sabe, durante o lançamento do álbum 7, o Luciano Leindecker, baixista e irmão do Duca Leindecker, vocalista da banda, foi diagnosticado com uma doença que acabou o afastando dos palcos por um tempo. A banda precisou dar uma pausa nos shows, no exato momento em que o Humberto Gessinger (Engenheiros do Hawaii), parava suas atividades com sua banda. Da oportunidade e necessidade, a parceria de longa data gerou o projeto Pouca Vogal.

Cinco anos após o hiato da Cidadão Quem, após o fim do projeto Pouca Vogal, Duca lança seu segundo álbum solo, intitulado: ‘Voz, violão e batucada’. O primeiro ainda foi lançado quando ele tinha apenas dezessete anos, antes mesmo de formar sua banda ao lado do irmão e do saudoso Cau Hafner.

Ainda iniciando os trabalhos de divulgação do novo álbum, recebi uma DM do Duca pedindo meu telefone. Jamais poderia imaginar a notícia que ele tinha para me dar:

– Jeff, a Cidadão vai voltar. Ainda está em sigilo, mas precisamos preparar o material de lançamento.

O tão desejado, muito esperado e pouco provável retorno da Cidadão Quem aconteceu. Eles preparam uma tour de comemoração dos 20 anos da banda, durante o próximo ano. E para deixar todo mundo na pilha, resolveram lançar um single.

‘Nosso Próprio Mar’ é novamente uma obra-prima do Duca, que além de músico e compositor, mantém uma carreira de sucesso como escritor. Este ano foi produtivo, além do álbum solo, das projeto de retorno da Cidadão, Duca acaba de lançar seu terceiro livro. Após ‘A casa da esquina’ (1999) e ‘A favor do vento’ (2002), chegou as bancas ‘O Menino que Pintava Sonhos’.

Estou emocionado de novamente fazer parte de mais um momento histórico desta banda que aprendi a admirar ainda na adolescência, lá pelos idos de 1997.

Iceberg – Duca Leindecker

Acho que era o ano de 1998. Estreava em Porto Alegre um programa de rádio muito diferente, o Pijama Show, comandado por Everton Cunha, mais conhecido como Mr Pi. O Pijama Show talvez tenha sido um dos poucos programas da Rádio Atlântida, onde a programação não seguia nenhuma regra ‘jabalesca’. Foi assim que Mr Pi tocava o que queria e aos poucos apresentou para Santa Catarina, as bandas que viviam do cenário gaúcho. A Cidadão Quem já havia feito música em novela global, já havia gravado com grandes gravadoras, mas as raízes continuavam no Rio Grande. Eu já conhecia a Cidadão Quem, mas era aquela coisa: ouve, gosta, mas não sabe ligar o nome a pessoa, neste caso: música a banda. Passei a ouvir, virei fã, fui atrás das canções.

Sete anos depois, entrei no site da Cidadão Quem, poucas informações. Pensei comigo: ‘Uma banda deste nível, merece um site a altura’. Escrevi um email despretensioso me apresentando. Alguns dias depois, uma resposta. Lembro de pensar que certamente aquele momento, mudaria minha vida de alguma forma. Pouco tempo depois estava encontrando a banda em Santa Catarina, em um show na praia de Penha. E pensar que eu nem sabia que eles haviam recém gravado um álbum acústico, o conhecido ‘Cidadão Quem no Theatro São Pedro’, gravado em Porto Alegre. Sugeri ao produtor que deveríamos desenvolver um projeto específico para o álbum. Ele relutou no início, pois tinha medo de dar uma vida útil muito curta ao site. Acabou aceitando quando disse que faríamos um outro, quando precisasse.

O resultado foi tão positivo que a banda fechou o álbum com mais de 200 shows, em apresentações nacionais e fora do país. O engraçado nesta história é que o Duca, vocalista e guitarrista, não usava mais internet. Ele não tinha perfil no recém famoso Orkut (faz tempo), não usava MSN e pouco respondia emails. Com o sucesso do site, o Duca foi obrigado a participar mais destas novas mídias. Tempos depois, seria por esta mesma internet que aconteceria a parceria entre Humberto Gessinger e Duca Leindecker, na composição da canção ‘A Força do Silêncio’, gravada no álbum ‘7’ e posteriormente a criação do projeto Pouca Vogal. É interessante como de fato, quando olhamos para trás, podemos ver onde a história das nossas vidas vai tomando caminhos diferentes, escolhendo que lado seguir em infinitas encruzilhadas.

Eu ainda fiz outro site para a banda, que ainda está no ar. A produtora se defez, meu contato com o Duca ficou restrito as redes sociais e hoje me resta acompanhar e admirar este ídolo que virou amigo. Em um email que ele me mandou, dizia o quanto gostaria de estar mais perto das pessoas, mas infelizmente esta era a vida que ele havia escolhido. Eu me contento portanto em ver suas conquistas e torcer aqui distante.

Duca é um Midas da arte. Todos os seus projetos e manifestações artísticas funcionam muito bem. Foi assim nas bandas que passou, foi assim na literatura, foi assim como produtor, como compositor de trilhas, como música, como instrumentista, como parceiro musical. Agora ele deixa o Pouca Vogal, um projeto que deu tão certo que certamente durou mais tempo do que ambos planejavam (eu acho). Agora tanto o Duca quanto o Humberto entram em projetos solos. Não é a volta da Cidadão e nem mesmo do Engenheiros, mas o importante mesmo é ter trabalho novo destes caras que eu tanto admiro. Se você ainda não viu, Duca lançou ontem o clipe de ‘Iceberg’, canção que fará parte do álbum ‘Voz, Violão e Batucada’, que chega em abril. Continuando o que fez com o Pouca Vogal, Duca se multiplica e vira muitos: cantando, batucando e tocando o violão, fazendo tapping e tocando com os pés um bombo leguero e um pandeiro, tudo junto e ao mesmo tempo. É o que Humberto talvez definiria como ‘ O Exército de um Homem Só’.

Tapping para quem não sabe é esta técnica que você verá no clipe, onde o músico ‘martela’ notas na escala do instrumento, geralmente usando as duas mãos. Aproveite e curta o clipe muito bonito produzido por Rene Goya Filho, um dos diretores mais importantes do sul do país, diretor na ‘Estação Elétrica’, que lançou mais de uma dúzia de dvds de bandas aqui do sul.

Eu que já tive a chance de ver uma canção sendo composta no quarto de hotel e depois ouvir ela tomando a multidão nos shows, estou feliz em ouvir uma canção nova na voz deste cara tão do bem, um dos vocais mais bonitos que temos no Brasil. Duca é sem dúvida um músico fantástico e está cada vez mais sofisticado e inovador no que faz. Espero que este seja um novo recomeço de mais um grande sucesso, de todos os sucessos que ele já fez.

Música Inédita – Pouca Vogal

Você já parou para analisar a idiotice e ineficácia desta mania de falar de coisas que não gostamos? Foi no Orkut que o ódio passou a se materializar  através de comunidades ‘Eu odeio…(alguma coisa)‘. Existiam mais comunidades de declaração de ódio que comunidades para reunir pessoas com gostos em comum. O que é no mínimo estranho, passou a ser a comprovação de que estamos utilizando a tecnologia para ‘emburrecer’, quando deveria ser o contrário. Nunca a informação esteve tão facilmente ao nosso alcance e de forma decepcionante, nós, brasileiros principalmente, estamos jogando essa oportunidade ralo abaixo.

Ao invés de escrever linhas e linhas sobre alguma piadinha repetitiva e sem graça sobre o Restart e seu Happy Rock, não é mais simples eu falar somente daquilo que eu curto? Se você colocar o nome do Restart no sistema de pesquisa e não achar nenhuma recomendação, fica óbvio que não sou fã, simples assim. E o inverso está longe de ser verdade, não odeio o Restart e não tenho nada para falar dos garotos coloridos, que agora nem estão mais tão coloridos assim. Tudo bem, no início do sucesso da piazada, talvez existia algo de legítimo em falar, fazer uma piadinha ou outra, mas já deu. Tudo que poderia ser dito já foi dito, não acham?

Se você tem mais de 15 anos e quer ouvir algo bacana, a dica é excelente. Ainda lembro do dia em que o produtor (na época), me ligou para dizer que Duca Leindecker e o Humberto Gessinger estavam pensando em um projeto juntos. Lembro de quando me ligou para dizer o nome, ainda em segredo: ‘Pouca Vogal’. Humberto fez história no rock nacional com os Engenheiros do Hawaii e Duca Leindecker é um dos talentos mais injustiçados do rock nacional, comandou por anos uma das melhores bandas do rock nacional, a Cidadão Quem.

Neste vídeo, eles tocam a canção ‘Música Inédita’, gravada no álbum ‘Cidadão Quem no Theatro São Pedro’. Era de fato a única música inédita do álbum de regravações em formato acústico. Nesta versão com o Pouca Vogal, resgataram o irmão do Duca, Luciano Leindecker, o talentoso baixista da Cidadão Quem, para tocar o seu instrumento ‘Quince’, que acredite, ele mesmo confeccionou. Talento puro em três músicos incríveis, para você que espera mais do rock.

Casa do Sol

Todos os anos, a rede Atlântida, rádio pertencente ao grupo RBS, afiliada Globo para o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, convida artistas conhecidos do público aqui no sul, para produzir um tema para a época do verão, quando é realizado inclusive, o famoso Planeta Atlântida, com versão catarinense, em Florianópolis e com versão gaúcha, na praia de Atlântida, no município de Xangri-lá, ao sul de Capão da Canoa, cerca de 140km de Porto Alegre. É quase que uma Ilha de Caras, mas neste caso, é a Praia de Atlântida.

Não sei em qual ano exatamente, a banda Cidadão Quem (se você não é do sul ou nunca ouviu falar da Cidadão, pesquise, acesse o site e conheça uma das melhores bandas de rock do país), fez a sua versão para uma música tema, chamada de ‘Casa do Sol’. Vou disponibilizar o download da música para você ouvir…

Gostou? Faz o download!

Acima que qualquer radar…

Se você tem acompanhado a série ‘Som e Fúria’ da Rede Globo, deve ter ouvido a música ‘Na paz e na Pressão’ do duo ‘Pouca Vogal’, formado por ninguém menos que os líderes de duas das maiores bandas do rock nacional, Duca Leindecker da Cidadão Quem e Humberto Gessinger do Engenheiros do Hawaii.

A música embalou o primeiro beijo de Kátia (Maria Flor) e Jaques Maya (Daniel de Oliveira) nos telhados do Teatro Municipal.

Na Paz e na Pressão

Autoria: Duca Leindecker e Humberto Gessinger
Artista: Pouca Vogal

Um pássaro na mão, um pássaro no ar
Um pássaro que vem
Um pássaro que vai voltar pro seu lugar

E pelo mar do sul
Azul imensidão bem longe daqui
Livre de toda pressão da minha mão

Na paz do vôo só, na paz da imensidão
A luz quase se vai e eu vou com ele viajar
No vento me deixar levar

Eu vou acima de qualquer radar
Eu vou aonde ninguém mais possa me achar
Eu vou abaixo de qualquer radar
Eu vou aonde ninguém mais possa me achar

O tempo já passou é hora de voltar
Sobre a imensidão um pássaro vai me levar
Vai me deixar

Na paz do vôo só, na paz da imensidão
A luz que já se vai, eu vou com ele viajar
No vento me deixar levar, eu vou.

Para quem ainda não conhece a Cidadão Quem, banda liderada por Duca Leindecker é uma famosa banda de rock que faz muito sucesso no sul do país. A banda já teve a música ‘Os Segundos’ incluída na trilha sonora de Malhação, mas possuem 7 cds e 15 anos de banda. São 7 cds do melhor rock nacional, uma das poucas bandas que você ouve cada cd do início ao fim.

O Engenheiros do Hawaii apesar de ser também de Porto Alegre, manteve uma carreira mais sólida nacionalmente. A banda passou por inúmeras mudanças em sua formação, a maior mudança foi o fim da formação original com a saída de Carlos Malts (Batera) e Augusto Licks (Guitarra). O líder da banda Humberto Gessinger continuou com outras formações e segundo alguns fãs, mudanças relevantes no estílo de suas músicas, claro se mantendo sempre dentro do rock.

Acesse os sites para saber mais:

www.cidadaoquem.com.br
www.engenheirosdohawaii.com.br
www.poucavogal.com.br

Next Posts