360 – O Filme

Confesso que fui carregado de preconceito para assistir 360, dirigido por Fernando Meirelles. Fiquei um tanto decepcionado com ele como diretor, após assitir toda sua explicação sobre o processo de criação da campanha da Nextel, para depois saber que se tratava de uma cópia de um outro comercial. Também vinha da decepção com ‘Ensaio sobre a Cegueira’, que definitivamente não gostei. Posso estar enganado, posso estar sendo injusto, mas tenho a sensação de que nunca devemos ser maiores que nossa obra. Fernando Meirelles virou um cara muito pop, muito midiático e tenho a sensação de que isso é prejudicial a uma espécie de humildade necessária para saber fazer as melhores escolhas.  Por incrível que possa parecer, a melhor obra de Fernando Meirelles não é ‘Cidade de Deus’ na minha opinião, pois contar um filme sobre a violência nas favelas cariocas não é algo original. Eu prefiro o despretencioso ‘As Domésticas’ de 2001. Acho que este filme é um lado mais amador e menos profissional de Meirelles. Menos técnico, menos pirotécnico, menos plástico, mais verdadeiro.

Vou parecer preconceituoso agora, mas o ponto fraco do filme é o ator brasileiro Juliano Cazarré. Fica evidente de que Juliano não dividiria a mesma cena com Rachel Weisz, se o diretor não fosse brasileiro. Está tudo errado, principalmente assistir o filme após ver Juliano interpretando um papel em novela da Globo. Acho que é ruim para um ator, trabalhar em uma longa série ou e uma novela e depois entrar em um filme. Não fica verocímel. Por outro lado ele está com a cara a qual o vemos em programas de televisão, arrumadinho, de óculos de grau, fazendo papel de intelectual, certamente se contrapondo ao personagem um tanto ignorante Adalto. Depois da cena da ‘chupetinha’, a sua credibilidade foi pelo ralo. Maria Flor é uma atriz muito bonita, fofinha, delicadinha, mas ela é a mesma coisa sempre. Acho que falta recurso ou ousadia. É sempre a garota delicadinha/descolada/desencanada, que me parece ser na realidade ela mesma.

Não estou sendo xenófilo, mas não tem como achar que Maria Flor e Juliano Cazarré estão no mesmo nível de atuação de Anthony Hopkins, Rachel Weisz, Jude Law, Jamel Debbouze e até Ben Foster. Ainda assim o filme consegue ser bom. Como o título sugere, as pequenas histórias contadas no filme,  possuem alguma ligação entre si, criando um circulo fechado de 360 graus. O interessante é que elas vão se imendando e não se entrelaçando. Uma dá continuidade a outra e não se misturando e influenciando uma a outra. Juliano Cazarré no entanto será eternamente grato ao Fernando Meirelles, por o permitir a dar uns beijos na Rachel Weisz.

Detalhe: Apesar de Maria Flor ter um dos papéis mais longos no filme, na divulgação americana seu nome se quer aparece. Eu posso não gostar da atuação dos brasileiros no filme, mas o diretor não enaltecer a atriz é a prova de que, ou Meirelles também não curtiu o resultado final ou não foi capaz de se impor diante dos padrões americanos.

Ficha Técnica

Título Original … 360
Origem … Reino Unido/Áustria/Brasil/França
Gênero … Drama
Duração .. 105 min
Lançamento … 2012
Direção … Fernando Meirelles
Roteiro … Peter Morgan

Peter Morgan talvez seja o grande responsável pela qualidade do filme. Morgan já roteirizou filmes como: ‘O Último Rei da Escócia’, ‘A Rainha’, ‘A Outra’, ‘Frost/Nixon’, ‘Além da Vida’ e ‘O Espião que Sabia Demais’.

Elenco

Anthony Hopkins como John
Jude Law como Michael Daly
Rachel Weisz como Rose
Ben Foster como Tyler
Jamel Debbouze como Argelino
Lucia Siposová como Mirkha
Johannes Krisch como Rocco
Gabriela Marcinkova como Anna
Maria Flor como Laura
Dinara Drukarova como Valentina
Vladimir Vdovichenkov como Serguei
Marianne Jean-Baptiste como Fran
Moritz Bleibtreu como Empresário alemão
Juliano Cazarré como Rui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *