Bastidores de um Casamento

Sinopse

É o casamento do filho mais velho de Lynn (Ellen Barkin), de quem ela foi privada de acompanhar o crescimento por contra de um tumultuado divórcio e de uma briga entre Lynn e seu ex-marido (Thomas Haden Church) e sua esposa temperamental Patty (Demi Moore). Enquanto isso, os três filhos de Lynn: Elliot (Ezra Miller), Ben (Daniel Yelsky), ambos do segundo casamento, além de Alice (Kate Bosworth), filha do primeiro casamento que foi separada do irmão Dylan e não conviveu com o pai. Todos demonstram vários disturbios de comportamento, dos quais sua mãe e irmãs a culpam a todo momento. Tudo isso eclode durante o casamento, deixando a todos em situações ora dolorosas, ora hilariantes.

Ficha Técnica

Título Original … Another Happy Day
Gênero … Drama
Duração … 119 min
Lançamento … 2011
Direção … Sam Levinson
Roteiro … Sam Livinson
Nacionalidade … USA

Elenco

Ellen Barkin como Lynn
Ezra Miller como Elliot
Ellen Burstyn como Doris
Demi Moore como Patty
Thomas Haden Church como Paul
Kate Bosworth como Alice
George Kennedy como Joe

Após assistir o filme, veja o restante do post.

Spoilerando

À primeira vista o filme pode parecer apenas mais uma história de uma família complicada e com dificuldade de relacionamento. Se você se aprofundar mais nos sentimentos envolvidos, perceberá uma mensagem muito interessante. Talvez você não entenda a força deste drama, caso sua relação familiar seja relativamente normal. Inicialmente e intencionalmente, Ellen Barkin deve ter sido escolhida para o papel justamente por ter uma imagem naturalmente de mulher fútil, evidenciado pelos enxertos labiais. Sua imagem de mulher futil e psicologicamente atormentada, lhe colocando em uma atitude preconceituosa de concordar com a família de Lynn e jogar em cima dela, todos os problemas enfrentados por seus filhos, um viciado em drogas, outra com tendências suicídas e o caçula com problemas de relacionamento interpessoal.

Ao poucos você percebe que Lynn é a resultante de uma família desestruturada. A mãe psicologicamente perturbada que nunca atendeu as necessidades da filha, nunca esteve presente nos momentos difíceis que ela enfrentou durante o conturbado casamento, chegando ao ponto de apoiar o genro ao invés da filha, mesmo sabendo que ele agrediu a própria filha e a privou de conviver com um dos filhos. Toda essa desestruturação familiar que começa na figura patriarcal e se estende e se reflete em toda a família.

Essa falta de apoio familiar, transformou Lynn em uma mulher que não conseguiu construir uma família estruturada, perpetuando a mesma realidade que ela vivenciou com seus pais e agora deixou de herança para os filhos. Seu filho Elliot traz outro pensamento extremamente profundo e triste, a constatação que a morte une as pessoas mais que o amor. Na morte todo pecador vira santo e toda família se une. Geralmente por um período pouco reverberante, mas ainda assim mais eficaz que o amor que deveria ser necessário para manter a família unida e parceira.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *