Um Dia

Quando vi a capa deste filme, queria vê-lo a todo custo. Infelizmente ele não estava disponível em nenhuma locadora. A única que já tinha o filme, comprou apenas cópias em blu-ray. Prometi para mim, que quando conseguisse comprar um aparelho, este seria o primeiro filme que eu alugaria e assim cumpri a promessa. É estranha a sensação de você entrar pela primeira vez em uma locadora e ver que aquele ‘mundo’ que você não foi convidado para estar, agora você também faz parte. Parece que tudo começa no zero novamente. É estranho, difícil pensar como coisas simples nos são negadas pela dificuldade financeira que todos nós passamos, deveria ser para todos. Como diria Álvaro de Campos:

Serei sempre o que não nasceu para isso; (…)
Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta.

No popular, eu sou o famoso pobre soberbo.

Um Dia (One Day) é o segundo filme de destaque baseado nos romances do escritor e roteirista David Nicholls. O primeiro filme foi Garoto nota 10 (Starter for Ten). O livro foi lançado em 2003 e o filme adaptado em 2006, filme bem simpático por sinal. Em 2005 ele escreveu The Understudy, que me parece não ter sido publicado no Brasil e Um Dia (One Day), escrito em 2009 e adaptado em 2011. Nicholls lembre em muito o estilo do escritor Nicholas Sparks, especialista em romances com finais tristes. Como Nicholls também é roteirista, ele produz roteiros originais (aqueles escritos diretamente para o cinema). O mais interessante até o momento foi ‘Quando Você Viu Seu Pai Pela Última Vez?’. Parece que Um Dia abriu novas portas para Nicholls que assina o roteiro de dois filmes importantes: ‘Great Expectations’, em pós-produção e o que será O Diário de Bridget Jones 3, com o título ‘Bridget Jones Baby, ainda em pré-produção e sem data prevista para lançamento. Muito provavelmente 2013 ou 2014. Mas isso é assunto para outros posts, vamos falar sobre Um Dia, filme protagonizado pela belíssima Anne Hathaway e o meia-boca Jim Sturgess. Se Nicholls herdou algo de Sparks, foi essa ideia de colocar modeletes nos papéis principais. Todo mundo gosta de ver gente bonita, mas no caso do personagem masculino, atitude é sempre mais importante que uma bela cutis.

Sinopse

Dexter Mayhew (Sturgess) e Emma Morley (Hathaway) se conheceram na faculdade, apesar de Dexter nunca ter reparado na desajeitada Emma. No dia 15 de julho de 1988, data da formatura de ambos, finalmente Dexter percebe a existência de Emma, com a ajuda de porrezinho leve. Emma leva Dexter para seu apartamento, mas o clima entre os dois não rola como Emma esperava. Enfim acabam dormindo juntos, sabendo que no dia seguinte, deverão trilhar caminhos diferentes. Ele um playboy pegador clássico e ela uma garota de baixo autoestima. Porém a amizade permanece e a cada ano que se passa, um se torna mais importante na vida do outro. O romance que deveria acontecer é sempre atrapalhado por circunstâncias da vida. Os anos se passam e ‘Dex’ e ‘Em’ levam vidas isoladas, muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Agora no entanto, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois. Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, ano a ano, todos no mesmo dia: 15 de julho. Dexter e Emma enfrentam disputas e brigas, esperanças e oportunidades perdidas, risos e lágrimas. Conforme o verdadeiro significado desse dia crucial é desvendado, eles precisam acertar contas com a essência do amor e da própria vida.

Ficha Técnica

Título Original … One Day
Direção … Lone Scherfig
Lançamento … 2011
Nacionalidade … USA/UK
Gênero … Drama
Duração … 107 min

Elenco

Anne Hathaway como Emma Morley
Jim Sturgess como Dexter Mayhew
Patricia Clarkson como Alison Mayhew
Romola Garai como Sylvie Cope

Assistiu? Gostou? Odiou? Ficou na dúvida?
Veja o restante do post e compartilhe das minhas percepções.

Spoilerando

Li inúmeros comentários sobre o filme, como sempre rasos demais. Um Dia faz uma reflexão muito importante, que está acima do tempo, da tragédia, das perdas, das escolhas. O filme nos mostra de uma forma catártica, o quanto as boas oportunidades da vida não apenas são raras, quanto possuem um prazo de validade muito determinado para acontecer. Também nos mostra como tratamos a vida com descaso e displicência, como se o tempo não estivesse correndo a todo momento. O tempo nunca para e não nos damos conta disso a todo momento. Dizem que o homem deseja a eternidade, porém nem sabe ao certo o que fazer nos domingos à tarde.

Somos sempre incoerentes, desperdiçamos nossas vidas com muita bobagem. Não que você deva se levar à sério em todos os momentos, precisamos alternar momentos de seriedade e de descontração, mas diante das nossas escolhas, não podemos ser relapsos. Diante do sentimento alheio, não podemos ser irresponsáveis. Assisti duas vezes o filme, duas vezes seguidas, para entender melhor suas nuances. Se você perceber, Um Dia não conta a história do cara popular que não percebe que seu amor está na sua melhor amiga, ali logo ao lado. É muito mais profundo que esse cliché romântico. Dex e Em sempre estiveram interessados um no outro, claro que Emma já ‘tinha olhos’ para Dexter há muito tempo, mas no dia em que se conheceram, a química já estava ali e ambos sabiam disso. Porém nenhum dos dois estava disposto a colocar isso em primeiro plano.

Não é nenhuma história original você conhecer inúmeras pessoas desinteressantes durante anos, para depois perceber como existia identificação com aquela garota (o) que você deixou no seu passado. No entanto, em Um Dia, ambos eram cumplices não apenas no amor, quanto nas escolhas equivocadas. Se você perceber, as impossibilidades vão se intercalando. Em um momento é Dex que não quer assumir um relacionamento, no outro é Em que está ocupada, distraída ou envolvida. Estas situações vão se alternando ao longo dos 20 anos que conviveram juntos, culminando enfim com a morte prematura de Emma.

É no momento da morte de Emma, que vamos dar importância para todos os 20 anos perdidos pelos dois, quando o que bastava era uma equalização dos seus interesses. O problema maior é que de fato, nunca sabemos quanto tempo nos resta. Trabalhar com a ideia que falta pouco, pode lhe impossibilitar de criar um futuro sólido, em contrapartida, acreditar que existe tempo para que tudo se ajeite em nossas vidas, pode nos fadar a possibilidade de não conseguir completar todos os planos.

Tudo no enteanto nos levará para o mesmo ponto de partida, de fato nunca saberemos quais as escolhas erradas e certas que fizemos. A única maneira de entender este enigma que se ergue diante de nós durante a vida, diante de inúmeras perguntas sem respostas é aceitar que a vida é uma incerteza. Fazer planos pode ser uma maneira eficaz de trilhar um bom caminho, mas aceite a possibilidade de dar tudo errado. Aceite a ideia de um plano B, C, D, E, F… E ainda assim, aceite a possibilidade de ter que improvisar algo não planejado pelo resto de sua vida. Mas não esqueça que o segredo é usar o verbo ‘aceitar’ no sentido de ‘entendimento’ e não de conformação.

Sobre o filme, um pedido, não o assista dublado, talvez estrague toda a experiência do filme. Anne Hathaway incrivelmente consegue se passar muito bem pelo papel da garota de beleza duvidosa, sem nenhum atributo cliché e apelativo como: cabelos ridículos, aparelho no dente, roupa brega e óculos fundo de garrafa. Da garota sem sal na faculdade para a bela e atraente escritora bem sucedida, está o tempo, o desabrochar de muitas pessoas, que assim como uma lagarta que vira borboleta, tem seu tempo próprio para fazer sua metamorfose. Todos nós temos uma idade da beleza plena, cada um em uma época, alguns poucos por toda a vida, mas de fato verdadeiro é que todos nós temos nosso desabrochar.

Você deve lembrar ao menos de uma garota desengonçada da época do colégio, que hoje virou um mulherão e ao menos uma que era popular e hoje tá um trapo, não é mesmo? Brincadeiras à parte, acho que Um Dia é um filme que fala muito mais sobre escolhas do que destinos. Fala mais sobre o amanhã do que o ontem. Portanto, aproveite a reflexão e olhe para você mesmo, tente identificar em que momento você está sendo relapso com você mesmo e com as pessoas ao seu redor.

Ah, já iria me esquecendo. Quando amar alguém de verdade, trate de verificar o fato de ser bastante claro em suas ações.

Ps.: Queria registrar o quanto acho extremamente bela, apesar dos seus 53, a atriz Patricia Clarkson. Ela tem um ar sedutor em todos seus papéis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *