Compramos um Zoológico

Quando aluguei ‘Compramos um Zoológico’, confesso que a imagem de posters e da própria capa do filme não me convenceu. Por algum motivo me soava como um filme bobinho, ideal para cair um dia na grade da Sessão da Tarde. Pesquisando sobre o filme para fazer esta postagem, percebi que de fato, a estratégia de venda realmente tinha como foco a criançada exatamente no início das férias de final de ano. Porém, tendo Matt Damon e Scarlett Johansson resolvi arriscar.

Sinopse

Benjamin Mee (Matt Damon) é um pai de família que decide que precisa recomeçar sua vida após o falecimento da esposa. Desta forma, ele e seus dois filhos se mudam para um zoológico em péssimo estado de conservação, onde, com a ajuda de uma equipe de funcionários, tentam fazer com que o local recupere o brilho perdido.

Ficha Técnica

Título Original … We Bought A Zoo
Direção … Cameron Crowe
Lançamento … 2011
Nacionalidade … EUA
Gênero … Comédia Dramática
Duração … 124 min
Produção … Cameron Crowe e Julie Yorn

Elenco

Matt Damon como Benjamin Mee
Scarlett Johansson como Kelly Foster
Thomas Haden Church como Duncan Mee
Elle Fanning como Lily Miska

Se você já assistiu o filme pode ler minha opinião sobre ele, vendo o restante do post.

Spoilerando

Comercialmente talvez a estratégia de focar o público infantil se justifique, mas acho uma injustiça com um filme tão interessante. Talvez a história não tenha parecido tão importante para os críticos, caso não tivesse um detalhe importante, ser baseado em uma história real, o que dá outra dimensão ao filme. As críticas, mesmo quando positivas sobre o filme, costumam classificar como uma história calminha, bacaninha, boa para ver com a família e blá blá blá. Prova de que ou as pessoas estão cada dia mais rasas ou são facilmente influenciadas pela proposta visual de divulgação do filme. Pense comigo: O que sua família pensaria, se após você perder sua esposa ainda jovem, decide comprar um zoológico falido e investisse tudo que lhe restou de economias tentando recuperá-lo, sem esquecer que, caso conseguisse revitalizá-lo, teria que mantê-lo, o que é a pior parte.

O filme pode ter uma história que agrada toda a família, principalmente pela ludicidade que um zoo causaria na vida de qualquer criança. Que criança não amaria ter um zoológico no quintal de casa? Paralelamente a isso, existe o drama de Benjamin ao perder a mulher que amava e que obviamente o abalou demais para acreditar que estava tendo uma boa ideia. Depois do choque de realidade que ele tem, ao perceber todas as dificuldades que o esperavam, Benjamin se revela um cara extremamente corajoso, principalmente após apostar seu último recurso financeiro, deixado como herança pela esposa.

Para mim, paralela a toda a hístória familiar, corre a história de um cara sonhador e empreendedor corajoso. Um detalhe muito bonito no filme, é ver ao final, quando Benjamin consegue voltar ao local onde conheceu sua esposa, levando seus filhos para o que ele chama de ’20 segundos de coragem vergonhosa’, contando que ele a viu dentro do restaurante e na tentativa de não perde-la de vista, tomou coragem para cantá-la. Ao perguntar qual motivo a faria falar com alguém como ele, ela respondeu: Porque não?, remetendo a mesma resposta que ele dá para Kelly, quando ela o questiona sobre o motivo pelo qual estava se arriscando tanto comprando aquele zoológico. Ele responde: Porque não?, seguido de um sorriso bobo, o que muita gente poderia interpretar como algum flerte com Kelly, quando na verdade mostra a motivação real que ele tinha e a reverberação que aquele instante teve em sua vida, provavelmente revelando a personalidade da esposa que deveria ser alguém muito disposta a novos desafios.

Sem contar que foi graças a ela, no momento mais crítico, que ele consegue terminar o zoológico e abri-lo para visitação. Além de tudo o filme traz uma ótima trilha sonora com músicas de Bob Dylan, Neil Young e Bon Iver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *