Memes, Para Nossa Alegria, Pc Siqueira, Aborto…

Hoje estava vendo a galera que foi ao programa da Eliana, por estar famoso na internet. Entre eles meu chará Jefferson, a Mara e a Suelen, que protagonizaram o vídeo ‘Para nossa alegria’. Ainda participaram a Ana do Tá e Daí?, o Mc Maloka, o Breno que fez um App para sua ex-namora Natasha e mais uma galera. Achei bacana ver todo mundo dançando e cantando a música Galhos Secos (para nossa alegria) e se divertindo com algo tão simples. Me senti mal de alguma vez ter criticado essa gurizada da internet, achei que poderia ser mais tolerante, pensei: ‘no fundo todo mundo só quer se divertir’.

Infelizmente meu arrependimento não durou cinco minutos. Entrei no Youtube e um novo vídeo do Pc Siqueira estava listado entre os últimos vídeos publicados. No vídeo o Pc Siqueira fala sobre a nova lei aprovada sobre o aborto no caso de bebês com anencefalia. Até aí tudo bem, o problema foi ele dizer que é favorável a aprovação da legalização do aborto sem qualquer pré-condição, pela simples escolha da mãe.

Para embasar sua opinião, usou a opinião de líderes religiosos que são contrários a prática do aborto. Temos que sempre ter cuidado com a recíproca. O fato do Pc Siqueira ser ateu, não pode fazer com que ele acredite que todas as opiniões de um líder religioso não devam receber crédito. Eu não pratico nenhuma religião e não acredito na legitimidade do aborto, independente de consequências religiosas. Se uma mulher que aborta vai para o inferno, isso pouco me interessa. Cada um acredita no que quiser acreditar, mas religião ou a falta dela, não pode passar por cima de uma questão simples: o aborto apenas pela escolha de não querer continuar uma gravidez é sim um assassinato. Tirar a vida de uma criança saudável apenas por vaidade ou por medo das consequências é inaceitável.

Pergunte para uma mulher com dificuldades para engravidar, o que ela pensa sobre o aborto. Pergunte para uma criança que foi adotada, se ela preferia ter sido abortada. Tão ridícula quanto a defesa usada pela igreja contra a prática do aborto é a defesa usada por quem o defende: ‘a mulher tem direito sobre o seu corpo’. Tudo na nossa vida possui prioridades e a defesa de uma vida certamente tem prioridade sobre a preservação do corpo de uma mulher.

Assim como se defende a ideia de que, ao beber e dirigir você assume o risco de matar alguém, ao transar sem camisinha ou qualquer outro contraceptivo, assume-se as chances de engravidar. Não consigo entender o que justifica a morte de uma criança, apenas pelo desejo de não levar uma gravidez adiante. Com a aprovação de uma lei legalizando o aborto, quantos namorados poderiam convencer suas namoradas a abortar. Quantos pais conseguiriam convencer suas filhas a abortar. Quantas mulheres poderiam agir por impulso e se arrepender depois.

Não é novidade os casos de mulheres que tentam abortar, não alcançam êxito em sua empreitada e em pouco tempo acabam aceitando sua gravidez. Fico decepcionado de ver um cara como o Pc Siqueira, falando qualquer coisa sem ao menos ponderar sobre o assunto, sabendo da idade de seus seguidores e não se preocupando com a influência que possui diante de crianças que estão formando seu caráter e seus valores. No fundo talvez essa nem seja de fato sua opinião, mas falar de aborto é sempre um assunto que rende e é de acessos que estes caras vivem.

Criar uma geração que acha normal o aborto é no mínimo terrível. Isso não tem nenhuma relação com religião, você não precisa ser temente a nenhum deus para acreditar na defesa da vida. Se existe ignorância por parte das religiões, existe uma ignorância ainda maior por parte daqueles que se intitulam ateus.

Em toda a história sobre ‘este tal Jesus’, contata nos evangelhos, sua mensagem era apenas de paz, amor e tolerância. Isso não impediu que guerras e massacres fossem comandados ao redor do mundo, em seu nome. Até hoje, não vi um relato que credencie a Jesus, o desejo de morte, de vingança. Por isso repito: ‘a recíproca nem sempre é verdadeira’. Ser favorável ao aborto por ser ateu é completamente ignorante. Temos que ter a capacidade de analisar o que é certo, diante de nossos próprios valores. Seguir cegamente uma religião é igualmente equivocado a acreditar que tudo que uma igreja defende, deve ser aplicado de forma inversa.

Os canais de televisão estão cheios de pastores e padres em busca de suas realizações pessoais, usando o nome de Jesus como justificativa. Isso não precisa me impedir de acreditar na existência de um Deus.

8 Responses to Memes, Para Nossa Alegria, Pc Siqueira, Aborto…
  1. Ricardo

    Jeff,
    Eu sempre acompanho seu blog, mesmo que as vezes não comento, sempre leio, tanto que ele esta nos meus FEEDS. A maioria dos assuntos temos ideias parecidas outras nem tanto, mas nesse ponto temos ideias completamente inversas.

    Eu nem sigo PC Siqueira ou qualquer destes vlogs, a um bom tempo eu não vejo os vídeos dele, não me acrescenta em nada, mas este em questão eu precisei ver. Os argumentos dele a favor do aborto podem não ser sólidos, mas eu concordo com o aborto sim. Assim como ninguém tem o direito de decidir sobre uma vida, é justamente sobre a vida da mulher que estamos falando ao proibi-la do direito de não ter uma criança que ela não deseja. Veja bem, não estou falando de aborto em uma gestação já avançada em que o feto esta completamente formado, até pelo fato que um aborto em uma gestação nestas condições acarreta risco de morte para a própria mãe e nenhum médico em plena consciência o faria.

    O que acontece hoje em nossa sociedade é um grande número de nascimentos que ocorrem de crianças indesejadas pelos pais, um “acidente de percurso” que não estava planejado de ocorrer, na maioria dos casos essa criança vem ao mundo em famílias completamente desestruturadas e pais despreparados que vão negligenciar essa criança em sua formação.

    Em vários países ditos de primeiro mundo, o aborto é algo legalizado, efetuado pelos sistemas de saúde. Existem casos em que, após anos da legalização do aborto, viu-se diminuir até mesmo a taxa de criminalidade, pois tudo está ligado diretamente ao problema que citei de pais despreparados, gravidez não planejada, muitas dessas crianças sem a devida estrutura familiar acabam no mundo do crime mais tarde.

    Posso parecer cruel falando dessa forma, mas estou sendo racional. Se minha namorada por exemplo ficasse gravida e por motivos pessoais ela quisesse abortar (levando em consideração que o aborto fosse legalizado) logicamente que eu tentaria convence-la do contrario, eu preso a vida, mas a minha opinião não pode ser egoísta ao ponto de querer privar ela de ter a liberdade de decidir isso. Seria egoismo dela também querer por qualquer motivo que seja interromper a vida que esta surgindo ali? Sim, mas ai já é um problema dela, da consciência dela, erro dela se mais tarde vier se arrepender do aborto, não é algo do qual eu tenho o direito de proibi-la de fazer.

    O problema de dar uma criança pra adoção, é que não é algo assim tão fácil e simples. Existem milhares de crianças nas filas de adoção, muitas delas já passando dos seus 10 anos pq não conseguiram ser adotadas antes, uma idade que dificilmente vão conseguir ser adotadas depois. Eu já fui voluntário em casas onde as crianças ficam a espera por pais adotivos, então eu sei pois vi de perto como é o problema. Não é de longe uma situação assim tão simples de se resolver somente dando a criança pra adoção pq o pai e a mãe não as desejam. Só quem não acompanha de perto a realidade que pensa dessa forma tão superficial.

    Eu penso que antes da legalização do aborto, deveria-se pensar em educação (conhecimento), pois tudo parte do princípio da falta de educação, ensino de qualidade para nossas crianças, assim teríamos adultos no futuro com melhor preparo para colocar uma criança no mundo com toda a estrutura que ela precisa para crescer saudável em todo os sentidos, e também gravidez planejada, onde os pais estão cientes do trabalho e responsabilidade que terão ao colocar um filho no mundo.

    O lixo que está nossa cultura hoje, as inversões de valores, o número de adolescentes grávidas, tudo isso vem da falta de educação e estrutura familiar pois os pais também não tiveram essa educação e preparo. Hoje muitos pais pensam que pra colocar filhos no mundo, basta colocar comida na mesa, matricular na escola, esperar que a escola e a sociedade de a educação que ele deveria ter em casa, e assim acham que estão criando seus filhos.

    Já teve um caso aqui onde moro, em que a criança ao ser repreendida em sala de aula pelo professor, por mau comportamento, agrediu o professor. Quando o jornal local entrevistou a mãe e abordou sobre o comportamento do filho, essa mãe simplesmente respondeu da seguinte forma: “Eu não tenho tempo pra ficar atrás de filho e saber tudo que ele faz. Você quer que eu fique por conta de filho? E minha vida pessoal como fica? Eu tenho mais o que fazer…”.

    Nota-se ai que é uma mãe despreparada que nunca deveria ter gerado um criança pra depois ser negligenciada.

    Então eu sou sim a favor do aborto, e principalmente a favor de educação e instrução de melhor qualidade para as crianças desse país, pois só assim seria menor a necessidade de se ter abortos.

    Quanto a religiosidade, meu conceito de Deus é totalmente diferente do Deus bíblico/cristão, do Deus da Torá ou do Deus do Alcorão, etc.Mas não cabe aqui discutir esse assunto.

    Desculpe pelo enorme texto, mas é um assunto que não da pra se debater em poucas linhas.

    Abs.

    Ricardo,

    Realmente vamos discordar muito desta vez. Assim como os argumentos do Pc Siqueira, os seus não conseguem me convencer do contrário. Hoje, antes mesmo da preocupação com a gravidez, existe outra maior preocupação que são as doenças sexualmente transmissíveis. Transar sem o uso de camisinha é por si só uma atitude inconsequente. Nada justifica uma transa sem camisinha. Até mesmo em relacionamentos mais duradouros, não se justifica. A infidelidade é uma realidade cada vez mais comum e a contaminação com o vírus HIV através de parceiros que traem é enorme. Por isso em algumas faixas etárias, os casos de HIV em mulheres, superam o número de homens.

    No caso de uma transa sem proteção, existe a pílula do dia seguinte, portanto, uma gravidez só ocorre se o casal vem transando inúmeras vezes sem camisinha. Não justifica nada. Você usar o argumento de que aborto tem alguma relação com baixa na criminalidade é tão absurdo, mas tão absurdo que sinceramente, desculpe minha forma inflamada de dizer isso, mas você caiu no meu conceito. É uma ideia elitista e discriminatória. O estado tem sim o dever de promover educação, cultura e qualidade de vida, independente de uma criança ter ou não isso em casa.

    Se hoje as escolas não conseguem promover uma educação de qualidade é porque os próprios professores em muitos casos, são péssimos pais. Falta qualificação na formação dos professores, que deveriam e poderiam fazer a diferença na vida das crianças. Acreditar na ideia de que o aborto é capaz de melhorar a sociedade é tão bizarro que se assemelha à ideias nazistas e racistas.

    Com tantos métodos de contraceptivos: pílulas anticoncepcionais, pílula do dia seguinte, implante, anel vaginal, adesivo contraceptivo, diu, camisinha, camisinha feminina, diafragma, tabela, ligadura, vasectomia e contraceptivo injetável, você acha que alguém por puro descaso tenha o direito de engravidar e depois matar um feto? Só porque não quis fazer nenhum controle, quis transar sem camisinha porque ‘é mais gostoso’, sem se preocupar em contrair algum vírus.

    Tem certeza Ricardo? Inaceitável pensar assim. Querer controlar uma sociedade através do aborto? Nem consigo acreditar que li isso de você. Cuidado com as coisas que você diz Ricardo e pense melhor nos seus conceitos porque eles estão bem errados.

    Decepção Ricardo…

  2. Ricardo

    Aliás, só acrescentando…
    Um grande erro de ideia que a maioria das pessoas tem quando se fala em aborto, elas logo imaginam interrompendo a gravidez da mulher com um feto totalmente formado, bracinhos, perninhas, dedinhos, enfim um bebê em seu estado completo.

    Mas na verdade não é assim, interromper uma gravidez por aborto a uma altura dessas, acarreta em grande risco para a vida da própria mãe.

  3. Ricardo

    Eu não to aqui pra convencer ninguém, nem ser conceito pra ninguém, assim como você expôs sua opinião ao tocar no tema e abriu espaço para outros concordarem ou discordarem, é o que eu estou fazendo, não é intenção te convencer de nada.

    A pilula do dia seguinte é um método abortivo, se você não sabia disso, mas é legalizada.

    Não existe só os casos de gravidez indesejada por causa de irresponsabilidade, tem também ocorrências, raras mais existem, de falha dos métodos contraceptivos. E a irresponsabilidade e inconsequência está diretamente ligada ao grau de educação que a pessoa teve, seja na escola seja em casa.

    Sobre a relação criminalidade e aborto, não sou eu quem estou falando isso, são estudos destes países em que o aborto é liberado que mostraram esses números. Um estudo de 2007 que gerou até livros a respeito. Embora pense também diferente de tal estudo, e que como eu disse a respeito da educação e vejo como fator principal para a criminalidade a qualidade da mesma, é fato que existe este estudo e tem que ser considerado sim.

    Absurdo é por uma opinião sua, achar que uma pessoa tem que ser obrigada a se submeter a uma situação da qual ela não quer, isso é egoismo. Desde o momento que a mulher pensa em abortar, é uma situação da qual essa criança se vier ao mundo não vai ter a atenção e cuidados que ela deveria.

    Agora comparar com nazismo ou racismo é absurdo, primeiro que repudio qualquer das ideias, tanto racistas quanto nazistas, me da nojo. O problema de educação e criminalidade pode vir de qualquer classe, principalmente na sociedade atual em que nos encontramos. Aqui na minha cidade mesmo foi presos no começo do ano membros de uma quadrilha de ladrões cujo os participantes eram todos filhos de empresários ou famílias de classe alta.

  4. Ricardo

    A propósito, antes que você forme qualquer pre-julgamento, eu sou pobre, venho de família pobre, e a ideia de elitismo seria discriminar a mim próprio e as minhas próprias origens. Acontece que eu sou de uma geração em que os pais tinham filhos após o casamento pq desejavam ter filhos com todo planejamento e não por inconsequências, despreparo e irresponsabilidade.

  5. Eder Alves

    Ricardo, vc defende o aborto pois seria um egoísmo contra as mulheres certo? Mas da sua parte, vc não está sento egoísta com a vida que está sendo abortada?

  6. Eder Alves

    sendo egoísta *

  7. Ricardo

    Eder Alves,
    Acho que você não entendeu o que eu quis dizer, talvez eu não tenha deixado bem claro meu ponto de vista.

    O egoismo que eu menciono, é por eu achar que algo é errado (lembrando que o certo e o errado é uma concepção muito subjetiva, porque o que pode ser certo pra mim é errado pra você e vice-versa), por eu pensar que esse algo é errado eu querer proibir ou impedir que outras pessoas tenham a liberdade de decidir por elas mesmas se esse algo é errado ou não quando esse algo afeta diretamente a vida delas.

    Se a mulher ou casal, não tem as mínimas condições de criar um filho (e aqui não entra só condições financeiras, pois a pessoa pode ter condições financeiras de prover o que tem de melhor, mas não tem condições psicológicas, maturidade, foi um caso de estupro por exemplo e a gestação vai acarretar graves problemas psicológicos para a mãe e futuramente para a criança tbm, etc), eu não tenho o direito de por causa de minhas crenças religiosas, meu ponto de vista ou meus conceitos, querer proibir que a mulher tenha esse direito de decisão em algo que afeta diretamente a vida dela.

    Não se trata de querer controlar uma população com o aborto, como foi dito, pelo simples fato que não está sendo imposto o aborto, é uma escolha que pode vir ou não a acontecer. Mas é fato que quando uma criança vem de pais despreparados, que eles próprios talvez também vieram de pais despreparados, que não tem a mínima condição de educar seus filhos passando a eles conhecimento de valores e tratando com prioridade, (e isso independe de classe social pra que fique bem claro), existe grandes chances dessa criança se enveredar para caminhos errados e acabar na criminalidade.

    Foi partindo desse pressuposto que o estudo que eu mencionei, do qual eu concordo parcialmente, pois acho que a criminalidade tem muito mais fatores envolvidos do que somente formação familiar deficiente do indivíduo, fez o levantamento e correlacionaram a diminuição (não erradicação) do crime após um período de quase 20 anos em que o aborto havia sido liberado em alguns estados dos EUA. Esse estudo é de 2007, até foi publicado na época por um jornal aqui no Brasil, não me lembro agora se foi Estadão ou Folha, e gerou também 2 livros a respeito. Se o estudo tem fundamentos sólidos ou não, eu não sei e nem tomo ele como modelo a ser seguido, fiz menção pelo fato de estar ligado diretamente ao assunto.

    Hoje existe sim muitos métodos contraceptivos, mas é de conhecimento geral que nem sempre as pessoas se previnem, quer um exemplo maior do que quando se fala gritante de adolescentes grávidas que temos hoje? E por falta de conhecimento de métodos de prevenção que não é, pois nas escolas os professores sempre estão falando, nos programas e comerciais de TV, mas mesmo assim não se cuidaram. Agora se a mulher em questão não tem a mínima condição de ser uma mãe (não menciono aqui o pai tbm pq o principal envolvido na gestação de uma criança é somente mãe), é correto usar a consequência do descuido, a gravidez como punição, quando ela não quer ou não tem condições de gerar um filho?

    Você pode pensar que o aborto é um desrespeito com a vida, mas por exemplo, esperar a criança nascer e depois entregar pra adoção como se ela fosse um objeto que ninguém quer mais, não é igualmente desrespeito com a vida? E falando em vida, você tirar a vida de outros seres vivos com acontece todos os dias a toda hora no mundo todo, não é também um desrespeito com a vida se for pensar dessa forma? De onde tiraram o conceito que uma vida é mais importante que a outra? Vida é vida, não importa espécie ou gênero. A vida da mãe que gera é igualmente importante quanto a vida que ela está gerando, portanto a decisão ou não do aborto afeta diretamente a vida dessa mãe.

    É fato que muitas crianças são adotadas e conseguem uma família que vai dar a elas todo amor, carinho, educação e cuidados que ela precisa para seu desenvolvimento e formação como pessoa. Mas eu digo que não é assim tão simples pelo fato que a dificuldade em uma criança conseguir ser adotada é muito grande, e nem falo de questões burocráticas, muitas dessas crianças ficam passando entre famílias transitórias, que são famílias que a grosso modo falando, apadrinha essas crianças em lares pra adoção e vez ou outra visitam ou pegam a guarda provisória da criança, mas ao final a criança sempre volta pra casa de adoção.

    É muito difícil conseguir famílias pra adotar crianças que já não são mais bebês. Eu fui voluntário por 3 anos em uma dessas casas onde eu ajudava na seleção das famílias que tinham interesse em pegar a guarda provisória das crianças e te digo, tem muitas crianças com idade acima de 3 anos que não conseguiram ser adotadas, elas ficam transitando entre famílias que se voluntariam pra ajudar a cuidar dessas crianças mas que não tem interesse em adotar. Imagina pra essas crianças o efeito psicológico disso a medida que vão ficando mais velhas, muitas delas acabam se tornando crianças bem problemáticas. Elas já tem que lidar com o fato que foram rejeitadas pelos pais ou outros familiares, depois com o fato de ninguém querer adota-las por causa da idade.

    Então é muito simplista pensar que gerar a criança até seu nascimento pra depois dispensar como um objeto qualquer pra adoção é assim tão fácil e resolve tudo ou é menos horrível que o aborto de um feto de algumas semanas que nem se aprece com um ser humano ainda ou tem a consciência de sua existência, é ter uma visão superficial de quem nunca acompanhou de perto o drama que essas crianças passam.

    Aposto que nem 1% dos que esbravejam serem contra o aborto tomariam a iniciativa de adotar uma criança que foi rejeitada pelos pais, ou retiradas dos pais pela justiça pelo fato de não terem a mínima condição de cria-las.

    A minha intenção aqui não é convencer ninguém, é só expor meu ponto de vista de acordo com as coisas que eu já vi e conheço. Não me interessa também cai ou não no conceito de ninguém. Eu tenho respeito pelo proprietário do blog que é o Jeff, gosto de ler os textos que ele escreve, te muitas coisas que penso iguais outras não, mas a opinião dele a respeito desse assunto não é a mesma que a minha e resolvi expor o que penso, sem intenções de convencer ninguém.

    E tem mais, quem disse que os conceitos dele são os certos? São só conceitos dele, opinião e forma como ele vê as coisas, isso não quer dizer que ta certo nem muito menos que está errado.

    Eu nem iria mais comentar esse assunto, pois até foi colocado de forma desproporcional e absurda que relacionar aborto a diminuição da criminalidade se assemelha ao nazismo (provavelmente nunca estudou ou leu dos horrores que era a ideia nazista pra fazer tal comparação e só conhece o que vê em filmes ou jornais) ou que estou querendo controlar a população com aborto, sendo que em momento algum eu quis dizer isso, mas resolvi deixar esse ultimo comentário pois relendo o que eu escrevi, alguns pontos não ficaram bem explicados. Enfim…

    Ricardo,

    Agradeço seu interesse em defender seu ponto de vista. Obviamente que vou replicar algumas coisas. Em diversos momentos, seus pontos de vista esquecem de um detalhe importante. O desejo de vida do próprio bebê. Quando a menina do BBB passou por uma possibilidade de estupro, o estado interviu considerando que embriagada, ela estaria incapaz de se defender. A lei defende a proteção do estado na incapacidade de defesa daquele que tem sua vida ou integridade colocada em perigo, independente de ser um feto ou um adulto. Eu acredito que uma mulher tenha total direito de fazer o que bem entende de seu corpo, mas o fato de um bebê estar dentro dela, não lhe dá o direito de fazer o que quiser com sua vida. Se o cérebro de um bebê já está iniciando sua formação aos 18 dias de gestação e a grande maioria das mulheres só desconfia estar grávida no atraso da menstruação, este feto já é um ser em desenvolvimento quando ela descobre a gravidez indesejada.

    Esperar uma gravidez chegar ao seu fim não é um desrespeito à vida, pois além da mãe preservar a vida do bebê, entregará para adoção de uma família que dará amor a esta criança e acima de tudo, permitirá que esta criança viva. A dificuldade de adoção no Brasil nada tem haver com a quantidade de crianças, sendo que o número de pais cadastrados e de crianças é infinitamente inferior. O que precisa ser trabalhado no país são práticas mais simples de adoção e conscientização dos pais que desejam apenas adotar crianças ainda bebê, de cor clara e do sexo feminino. Precisa-se mostrar que adoção não é uma alternativa à impossibilidade de engravidar e sim em um gesto de amor e humanidade.

    Ricardo eu nasci e vivo na região que foi o maior foco de associação ao nazismo fora da Alemanha, então acredito entender bem do assunto. Minha comparação é simples. O Nazismo em primeiro lugar não é uma ideia isolada, é apenas um dos inúmeros regimes que acreditam em alguma diferenciação de etnias. Quando alguém publica um estudo dizendo que a legalização do aborto produz efeitos na diminuição da criminalidade, nunca lhe passou pela cabeça que pode ser uma tentativa de difundir uma ideia racista?

    Preste atenção na definição do dicionário para racismo: “Qualquer teoria que afirma ou se baseia na hipótese da validade científica do conceito de raça e da pertinência deste para o estudo dos fenômenos humanos”. Presta atenção: se baseia na hipótese da validade científica para estudo de fenômenos humanos. O estudo quer provar que a morte de uma classe de humanos: originários de gravidez indesejada, provocam uma diminuição na criminalidade. Jura Ricardo, que você, um cara inteligente não sabe o quanto um jornal, revista ou tv podem utilizar seu poder de comunicação para vender ideias?

    O nazismo é a base da formação da propaganda atual. Como você acha que uma pessoa foi capaz de convencer um país inteiro de que existe uma diferença entre raças, que justifique a sua exterminação? Ricardo, o nazismo, facismo, racismo, nacionalismo, não são eventos isolados no tempo, eles nascem de questões muito simples e aparentemente sem importância. Pense nisso…

  8. Dancer

    Bem, não querendo me alongar no assunto, até porque não li a todos os comentários, e nem sei bem que é Pc Siqueira…

    Mas você já reparou que toda a responsabilidade de não engravidar cai no colo da mulher?
    É ela quem toma o anticoncepcional, coloca o DIU, usa o diafragma e etc.

    Meio injusto não? É MUITA responsabilidade unilateral.

    Muitas mulheres NÃO PODEM usar pilulas de qualquer espécie porque desenvolvem nódulos (câncer). Muitas não podem usar o DIU, o diafragma é absolutamente falho assim como os espermicidas e por aí vai. Se você pode tomar pilula, você não pode ter uma diarréia ou vômito enquanto não quiser engravidar, não pode errar o horáio da pilula ou esquecer (o que é difícil se como eu, você toma há 5 anos). Restou apenas confiar na resistência do preservativo – se ele não te causar alergias.

    Às vezes parece que evitar uma gravidez é bem simples mas não o é. É trabalhoso e nada democrático.

    Então se só um dos lados é responsável por pôr ou não uma vida no mundo – e passar por todo o processo de gestação e parto que, todos esquecem, também não é simples, nem rápido, nem indolor – é justo que este lado decida o que vai fazer com o seu embrião.

    E veja bem, eu disse “embrião” e não “feto”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *