Uma cena para sempre…

Hoje, estava baixando o cd de uma banda chamada ‘The Morning Benders‘ e uma de suas músicas me recordou muito ‘Philadelphia’, do Neil Young. Acabei lembrando do filme, acabei lembrando da cena. Cena que para mim é a mais bela do cinema mundial.

Tom Hanks é Andrew Beckett, um advogado jovem que se torna a grande aposta de um importante escritório de advocacia. Andrew no entanto descobre que é soro positivo ao mesmo tempo que é demitido inesperadamente.

Ele parte em busca de um advogado que aceite processar seus antigos patrões. Sua alegação é a demissão motivada pela discriminação causada pela sua doença e por descobrirem que Andrew é homossexual. Eram outros tempos, onde ser soro-positivo era ser fadado a uma morte social. Andrew procura o advogado Joe Miller (Denzel Washington), que faz propagandas na televisão onde diz atender casos que ninguém aceitaria. Ao saber que Andrew é soro positivo, Joe recusa a atende-lo. Após a saída de Andrew de seu escritório, Joe lava a mão com a qual cumprimentou Andrew e para piorar, chega a fazer um exame de sangue para ter certeza que não foi contaminado. Parece absurdo, mas era assim.

Ao sair do escritório, Andrew demonstra todo seu sofrimento e o sentimento de abandono, de solidão, de estar sendo enterrado vivo, vendo sua última tentativa se mostrar ineficaz. Além da expectativa cruel da morte eminente como era na época, suportar a discriminação de uma sociedade que chamava a AIDS de ‘Câncer Gay’. Infelizmente temos que reviver essa ignorância na imagem de pastores evangélicos.

É um dos mais belos filmes que já pude assistir, com uma das mais belas trilhas sonoras, ganhadora do Oscar® inclusive. Sem dúvida é o maior filme da filmografia de Tom Hanks.

Originalmente Publicado em 24 de dezembro de 2010 às 22:24

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *