Mary e Max – Uma Amizade Diferente

Este final de semana consegui assistir alguns filmes e felizmente todos muito interessantes. Um deles é a animação “Mary e Max – Uma Amizade Diferente” que particularmente eu não havia visto nenhuma publicidade, estava lá abandonadinho na prateleira dos filmes infantis, irônico, já que ele não é recomendado para menores de 12 anos. Não entendo porque continuam classificando filmes de animação como infantil.

Utilizando a famosa técnica de stopmotion, é um dos primeiros longas do gênero que realmente gostei. As limitações impostas pelo uso desta técnica, aqui foram usadas em favor da animação, criada com maestria. Você tem a nítida sensação que, caso feita em computação gráfica, não teria o mesmo impacto. A produção Australiana/Americana foi escrita e dirigida por Adam Elliot. Mary e Max possui características interessantes, como a ausência de diálogo e as tonalidades das animações, por hora em sépia e em outros momentos em preto e branco – geralmente usado para retratar situações externas, tristes ou tensas, ressaltando os poucos detalhes coloridos, em cores bem vibrantes como vermelho.

Sinopse

O longa se passa entre os anos de 1976 a 1998 e conta a história de amizade pouco provável de 22 anos, entre Mary Daisy Dinkle, uma menina gordinha e solitária de 8 anos que mora em Mount Waverley, no subúrbio de Melbourne, na Austrália e Max Jerry Horowitz, de 44 anos de idade, severamente obeso, judeu secular, porém ateu, com síndrome de Asperger, residente da cidade NY. A narrativa se desenvolve através das cartas compartilhadas entre Mary e Max (entre as idades de 8 até 26 anos e 44 até 62 anos, respectivamente) e as histórias e pessoas por trás de suas vidas.

O filme diz se tratar de uma animação baseada em fatos reais e foi em uma entrevista concedida em abril de 2009, que Elliot (Escritor e Diretor), esclareceu que o personagem de “Max” foi inspirado por um pen-friend’ (uma espécie de amigo de cartas) de Nova York, que ele se corresponde há mais de vinte anos.

Como muitas animações, o filme traz um forte tom de reflexão, neste caso o assunto tão falado do bulling na escola, a dificuldade de lidar com as diferenças, a estranhesa do mundo ao nosso redor e o poder de uma amizade. Embora a maioria do desenvolvimento da trama ocorra no final dos anos 70, existem vários anacrônicos* de referências culturais populares, que derivam da década de 80. Por exemplo:

– O caracol chamado de Stephen Hawking (Físico que ficou famoso somente na década de 80)
– A Síndrome de Asperger (Somente catalogada em 1994)
– Os Noblets (Personagens aparentemente baseado nos “Smurfs”, criada em 1981)

Na produção original, os atores que dão voz aos personagens são: Toni Collette, Philip Hoffman e Eric Bana. O filme tem um humor negro que eu sempre detestei, mas que em Mary e Max é feito de forma tão leve que se torna engraçadíssimo.

Atenção: para você gostar do filme é necessário ter um pouco de simpatia por gente maluca e suas esquisitices.

Ficha Técnica

Título original: Mary and Max
Gênero: Animação
Duração: 01 hs 20 min
Ano de lançamento: 2009
Site oficial: www.maryandmax.com
Estúdio: Melodrama Pictures
Distribuidora: PlayArte
Direção: Adam Elliott
Roteiro: Adam Elliott
Produção: Melanie Coombs
Música: Dale Cornelius
Fotografia: Gerald Thompson
Direção de arte: Craig Fison
Edição: Bill Murphy

One Response to Mary e Max – Uma Amizade Diferente
  1. amanda

    Oi eu sou uma menina e eu abaixei esse filme e eu não sei até q idade pode assistir esse filme,mais eu tenho só 7 anos e esse filme é recomendado ate não sei q idade mas estava falando que era infantil mas não é.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *