Noivas do Cordeiro

O canal GNT® está transmitindo nesta semana (olhe a data da postagem), o documentário ‘Noivas do Cordeiro’, uma fantástica, emocionante e trágica história real existente até hoje na cidade mineira de Belo Vale. A comunidade rural ‘Noiva do Cordeiro’, é formada em sua maioria por mulheres, que há muitos anos sofrem uma grande discriminação que fadaram todas elas a uma vida singular.

A história

Tudo começou no fim do século 19, quando Maria Senhorinha de Lima, natural de um povoado chamado Roças Novas, casou-se forçadamente, como era o costume da época, com um descendente de franceses Arthur Pierre. Porém seu coração pertencia a outra pessoa e em nome do seu amor, três meses depois, sentindo-se infeliz com o matrimônio, ela abandonou sua casa para viver com Chico Fernandes, no local onde mais tarde se tornaria a comunidade de Noiva do Cordeiro. O seu ato deixou a população escandalizada, já que as mulheres naquela época não tinham o direito de abrir mão de um casamento arranjado pela família.

Começaria ali uma história que condenaria toda uma geração a décadas de preconceito e isolamento. A igreja católica excomungou o casal e os condenou à difamação suas próximas 4 gerações. Chamada de prostituta, Maria Senhorinha de Lima criou sua família e filhos totalmente isolada de outras comunidades próximas. Com o passar do tempo, o preconceito e o isolamento aumentavam ainda mais.

Para piorar a situação, por volta de 1940, o Pastor Anísio Pereira se mudou para o povoado e lá criou uma nova religião, como nome de ‘Noivas do Cordeiro’ com suas próprias regras e preceitos, rígidos e limitadores, que só fortaleceram a discriminação da comunidade e alimentaram o imaginário popular.

Assim passaram-se mais de 100 anos de preconceitos, de isolamento, de calúnias. Fadadas a uma dura exclusão social, tiveram que criar uma forma de vida sustentável e comunitária, imposta pelas restrições as quais os moradores foram submetidos, principalmente as mulheres. Com o tempo a comunidade quebrou seu vínculo e dependência com a religião e passou por novos preceitos, menos autoritários, antes definidos pela religião.

O fim da história é fantástico e não vou contar para não estragar todas as surpresas que ele reserva, mas posso dizer que ‘Noivas do Cordeiro’ é uma das mais belas histórias que eu já vi, em uma comunidade que mantém uma forma de vida quase utópica. Ninguém mantém posses, tudo que se cultiva é dividido na comunidade, todos usam a roupa de todos, todos almoçam e jantam juntos, criam seus filhos juntos. O que a igreja católica julgou como heresia, se mostrou na verdade, uma história de amor ao próximo sem precedentes.

Você precisa conhecer a história de ‘Noivas do Cordeiro’.

Ps.: Esta matéria foi publicada originalmente em outro blog que eu era colunista, mas como não faço mais parte deste site, agora estou republicando algumas materias mais importantes aqui. Minha publicação em 2008 referindo-se ao documentário, trouxe muitos acessos e mensagens pois era uma das poucas referências na internet sobre ‘Noivas do Cordeiro’. Portanto espero que todos continuem mandando suas mensagens por aqui agora.

123 Responses to Noivas do Cordeiro
  1. purbasiunvitae

    Olá pessoal,
    A liberdade de pensamento e de expressão é grandemente interessante. A realidade objetiva pode ser experimentada de algum modo, inclusive no mundo virtual. A mente humana deixa sinais até mesmo nesse incrível e sedutor mundo de comunicação. genial….

  2. Francisco Xavier Severo

    Olá pessoal. Muito bom esse blog com tantos comentarios que ensinaram mais que nunca. Estamos vivendo uma era muito interessante. As notícias agora simples não voam e vão embora. Hoje as notícias se transforam em verdadeiras aulas de cultura, de cidadania e demonstração de raciocínio por parte de muitos leitores e mesmo de alienação por parte de outros que deixaram claro suas dificuldades de encarar os fatos. Por isso há sensacionalismo e fofocas. Ainda bem que existem poucas, mas existem, pessoas que pensam, refletem, e demonstram sensibilidade aos apontamentos.
    É glorioso e divino. Tem algo de religiosidade nisso tudo. Precisamos nos juntar em diferentes tons e linguas, mas procurar o denominador comum. Precisamos nos comunicar mais e melhor, respeitando as normas e mais do que nunca respeitando a liberdade de outros de comenterem seus próprios erros e pagarem por isso.
    A história da Comunidade Noiva do Cordeiro é impressionante, principalmente pelos dados geográficos e históricos da região amplamente conhecida. Visitei o povoado e tenho lido diferentes matérias sobre elas inclusive a recente reportagem de Marie Claire, além de 22 segredos no Palácio das Artes.
    Se temos todos os textos e entrevistas, na ordem cronológica, além de ler atentamente os diferentes comentários nos blogs, notamos que algo de muito rico para ser explorado e compreendido sobre o comportamento e especialmente sobre os noticiários na Era da Informação e Tecnologia.
    Feliz Festas para todos e especialmente a jovens heroinas de Noiva do Cordeiro.
    Francisco Xavier Severo; professor de geografia

  3. Andreas Guto

    Muito legal todos esses comentários. Parece que as informações não ficaram isoladas e faltando pedaços. Existem controversas, mas parece que a essência de tudo está sendo vista. No mundo existem dois tipos de leitores o Público (seletivo, racional e formador de opinião) e as massas (apressados, preconceituosos e voados). Visitei Noiva do Cordeiro e tenho lido tudo que possa informar. Então, acredito que estamos realmente diante de um caso espetacular; quebraram tantos tabus e ainda assim sobreviveram às forças sociais, educativas e punidoras. Acreditamos que realmente estarão chegando todas as pessoas do local atingindo a maturidade, no sentido cronológico, biológico e histórico.
    Ei meninas de Noiva do Cordeiro, cuidado com a exposição exagerada, pois poderão perder o brilho com a exploração midiática.
    Andreas Guto (estudante de Comunicação)

  4. Karl, HannaMyrian, Bruno, Yaccobb, et al

    Vocês precisam estudar melhor o assunto e não esquecer que existem regulamentos. Portanto, ou se está dentro das normas ou às margens, e se algum regulamento se tornou ultrapassado, então mobiliza-se para modifica-lo. Leio a ultima postagem do nosso blog cujo título é
    Noivas do Cordeiro; sociologia da moral

  5. jennifer

    O lugar e lindo e maravilhoso eu moro la e sei como é morar lá para mim e muito bom é maravilhozo morar en noiva do cordeiro. Um lugar lindo e com muita diverção para todo que morarão la , na quele paraizo.

  6. jennifer

    EU AMO NOIVA DO CORDEIRO

  7. Tatiane

    Meu deus, pra que tanta discussão!!! Dane-se o motivo, se querem aparecer, ganhar dinheiro, melhorar a comunidade!
    Dane-se que não tenham isso documentado… Dane-se o que fizeram com a igreja – ela perdeu o real significado (talvez pudesse ter virado mais história, mas ainda pode).

    O que realmente importa aqui?! Importa que a gnt conseguiu produzir um ótimo documentário (sem audiência a tv não vive). Importa que as pessoas que queriam falar (independente do que) foram ouvidas.

    Acreditar ou não depende de cada um…

    O que é história afinal? Obrigada às mulheres desta comunidade por fazer parte da história do nosso país, sendo ela verdade ou mentira.

    Se alguém aqui está tentando escrever um livro ou mudar a história boa sorte, mas tenha propriedade para isso e não fique arrumando discussões “bonitas” em um blog.

    Vou conhecer a comunidade, e não para saber se é verdade ou mentira, mas para ver mais um pouco da cultura que vive nosso país.

  8. Jorge Silva

    Tudo que se torna público deve ser discutido. Quando as respostas são polêmicas e os fatos contraditórios, merecem observações sob diferentes pontos de vista e especialização. Quando as pessoas são invisíveis também são vítimas de fofocas; é o que chamam de controle social. A civilização é o resultado dessas observações e construções. Cultura é exatamente isso, uma procura por respostas sobre a vida nossa e a dos outros. Todo ser humano, saudável e lúcido, procura, por sua vez, diferentes maneiras de encontrar a Verdade. Pois é pessoal, o assunto deve e precisa continuar sendo discutido, infinitamente….
    Jorge da Silva, estudante de comunicação

    Excelente comentário Jorge. Eu sinceramente não entendi até agora essas discussões que foram levantadas sobre a veracidade da história de Noiva do Cordeiro. Uma história que chegou até mim através de um documentário exibido no GNT e amplamente divulgado. Não acredito que os fatos sejam inverídicos, porque o GNT não veicularia uma história falsa. Talvez algumas coisas a gente conte conforme a nossa dor e não como as pessoas analisam a história, mas isso, ninguém pode condenar.

  9. Rafael Fernandes

    Infelizmente o documentário é comentado na cidade como se fosse uma reportagem paga. Todos em Belo Vale fala dos acontecimentos envolvendo as pessoas de Noiva do Cordeiro, diferente do que elas alegam. Dizem que nunca houve essa discriminação, mas brigas e discussões “vulgares” em que eles se envolviam, por religião, política, mulher, bebidas e drogas.
    Rafael Fernandes (Roças Novas de Baixo – Belo Vale)

    Rafael, se for verdade, lamentável, agora, se for mentira a sua afirmação, valida totalmente todo o preconceito que o documentário mostra.

  10. Rafael Fernandes

    Houve desfiles escandalosos delas e existem fotos com as meninas seminuas, com calcinhas transparentes e depiladas. Também, existem documentos de processo no fórum de Belo Vale, seria muito bom que conferissem esses documentos e haveria outra idéia com certeza. Sim, elas foram caso de polícia e agora pousam de vitimas.
    Lamentável que os culpados se tornem vitimas através do poder da mídia irresponsável.
    Rafael Fernandes (Roças Novas de Baixo

  11. [...] Reais. No Comments Sem dúvidas, o post mais controverso e mais comentado neste blog é o artigo que fiz... gelonegro.com.br/?p=2106
  12. Itamar - médico

    Eu acho que a discusão perdeu o foco e esta parecendo torcida de futebol. Sobre o comentário do Eduardo e Marta Silva…nem são dignos de resposta. Quanto ao de Alessandra…la vai! Não se deve julgar o passado nem da comunidade e nem do povo da cidade de Belo Vale, qem foi que te disse que DEUS tem casa…se tem? tem muitos endereços, então minha filha não se apegue a um fato ou outro do passado pra desmerecer a história mesmo que alguns fatos possam não terem sido citados e não tenha medo que a descriminaçõa se volte contra a cidade de Belo Vale, isso é passado, ou deveria ser. Ao meu ver o documentário mesmo que muito emocionante quiz mostrar a exclusão de um povoado que por sinal é muito feliz e só quer ser aceito. Muito parecido com outras tantas histórias de racismo e preconceito contra povos, religiões e sexualidade. Todos buscam espaço…gys, negros, mulçumanos, e por aí vai.Penso que o objetivo é de acabarmos com o preconceito que existe ainda hoje…(como no comentário maldoso e infeliz de seu namorado, que com certeza deve ter uma influência no seu pensamento SIM). As pessoas que nascem e crescem neste lugar (Noivas do Cordeiro e Belo Vale) não podem continuar sendo vítimas e nem vilões…que esse documentário sirva para cada um de nós refletirmos no modo com vivemos e tratamos os indiferentes e não para estimular a competitividade entre os dois lugarem que com certeza abrigam pessoas de bem. Pregue o amor. Eu não acho que os depoimentos são apelativos ou de interesse comercial, achei verdadeiros e muito transparentes…não são atores, são pessoas que trazem consigo muita dor que só quem viveu pode descrever e em nenhum momento pregaram rancor e ódio, muito pelo contrário, se orgulham muito do que já conquistaram e dão um verdadeiro sentido a palavra “amor”. Só pessoas de um nível elevado passa por isso com paciência e serenidade e também que conseguem viver assim “coletivamente”…E ISSO, MESMO QUE TIVESSEM cometido qualquer ato que fosse contra costumes ou qualquer outra medíocridade imposta por religião ou coisa do tipo(com tantos pedófilos por aí!!!) Parabéns pelo documentário e que a comunidade Noivas do Cordeiro e o povo de Belo vale vivam em harmonia. A história é fantástica…não pelo sofrimento que se passou levando em conta o que é ou não verdade. È fantástica pelo modo de vida que eles levam, e quem tiver telhado de vidro que jogue a primeira pedra.
    Hoje ao ver esse documentário, ele me trouxe muita reflexão positiva sem julgar culpados ou inocentes. É uma pena que a maioria no mundo não tenha pensamento coletivo, é por isso que nossos impostos beneficiam uma minoria de corrúptos. Às mulheres de Noivas do Cordeiro deixo o meu mais sincero parabéns e aos homens também, pois não deve ter sido nada fácil, acho que um pouco do que passou se deve também ao fato das mulheres serem tão bonitas e isso realmente ofende as mocréias (a pior arma do ser humano é a lingua!)

  13. SUZY CUPERSMIDT

    Fofoca é algo muito interessante, que somente se faz com as pessoas que nos relacionamos. Prestem atenção que as notícias ruins são mais facilmente divulgadas. Alem do mais, as pessoas comuns têm necessidade de se envolver em intrigas, como se precisassem fazer parter de algo maior, de serem úteis. O ser humano é um animal muito eficiente na comunicação e a melhor arma é justamente essa – A LÍNGUA. Noiva do Cordeiro é resultado disso. Vamos supor que elas fossem mesmo as coitadinhas, que fossem moças feias, aliás nem todas são bonitas, digo que a maioria está bem fora de forma, mas SÃO BRANCAS, neste país hipócrita e racista, com um mídia igualmente hipócrita, alienante e alienada, que adora MOSTRAR CENAS. É uma classe de profissionais que estudam durante anos para fazer noticiário comum, voltado para as pessoas comuns e estúpidas, que são a maioria do Planeta. Aliás, o jornalismo precisa de sensacionalismo para manter patrocinador do lado. Com a internet o paradigma está sendo quebrado.
    Se pessoas inteligentes lerem detalhes sobre a comunidade,observasse o tanto que elas estão envolvidas com políticos, saberiam a depravação com o que estão envolvidas. Uma hipocrisia dizer que elas ficaram isoladas e sofrendo, se elas são parte de uma comunidade que está espalhada por Mato Grosso, Góias, Rio de Janeiro, São Paulo, e em Minas Gerais (Montes Claros, Belo Horizonte, Desterro de Entre Rios e Belo Vale). Uma ingenuidade pensar que elas são ‘jovens inocentes e desbravadoras’, e deveriam saber o tanto que estão maliciosamente treinadas. Quem é idiota de acreditar que sendo parentes íntimas do atual prefeito de Montes Claros, Tadeu, um professor de direito em Universidade, e mesmo a Rosalee, um política inveterada em Belo Vale, que já passou irresponsavelmente por diferentes cargos políticos em Belo Vale, quem vai acreditar que tudo isso não faz parte de um esquema para fazerem manutenção de uma ESTRANHA ROTINA, da comunidade com segredos inexplicáveis, especialmente dinheiro que não acaba mais…

    SUZY CUPERMSMIDT

    Suzy,

    Me desculpe a sinceridade da resposta, sou de Santa Catarina e acompanhei este documentário sobre Noiva do Cordeiro na sua estreia no GNT e me interessei muito pela história. Sou bastante reticente com minhas opiniões e não vou coprando uma versão logo de cara. Me espantei com alguns comentários inflamados que li aqui no blog e me interessei ainda mais em saber qual a verdadeira versão desta história. Analisando apenas argumentações, prefiro acreditar na versão dada pelo documentário, já que suas acusações, como a de outras pessoas, embasa todo o preconceito que estas pessoas alegam sofrer.

    Suas criticas são infundadas, frágeis e você nem foi capaz de perceber que estava sendo parcial o tempo inteiro, além de um tanto ignorante e preconceituosa. Moro em uma região de predominância de pessoas de origem européia, portanto brancas e não entendi qual sua referência sobre isso, no caso de Noiva do Cordeiro. Se fossem mulheres negras você quer dizer que as pessoas não iriam se compadecer da história? Não tem nenhuma lógica nisso. O documentário trata de um preconceito cultural e não étnico. Desculpe-me discordar, mas o documentário foi produzido em parceria com o GNT, um canal infinitamente longe do grande público e da grande mídia de massa de canais abertos como Globo, Record e SBT. O que certamente diverge da sua acusação de precisam de sensacionalismo para manter patrocinador. Patrocinador de quem? Você disse que elas são mulheres fora de forma? O que a forma física destas mulheres tem a ver com o tema do documentário?

    Não entendi quando você fala que: ‘são maliciosamente treinadas’. Por quem? Para quem? Por que? Para que? ‘Um esquema para fazerem uma manutenção de uma ESTRANHA ROTINA’?. Não entendi nada do que você quis dizer com isso. Se você quer se manifestar, precisa ser clara e dar ‘nome aos bois’, falar em entrelinhas, insinuações e acusações subliminares que não definem claramente o que está sendo dito, não vale de nada. ~’Comunidade de segredos inexplicáveis como dinheiro que não acaba mais’?. A não ser que o documentário tenha esquecido de mostrar as belas mansões de Noiva do Cordeiro, me pareceu uma comunidade simples, que vive muito da sustentabilidade e também dos homens que trabalham em empresas da região. Não sei de que dinheiro você fala.

  14. SUZY CUPERSMIDT

    uma pessoa ter religião não é algo vergonhoso, mas é absolutamente desrespeitoso que as pessoas tais como as jovens e mulheres, quanto homens de Noiva do Cordeiro fez anos atrás, quando transformando a Igreja em Bar, para promover bailes e bebidas, quanto desfiles de lingeries; um crime de vilipêndio segundo a constituição brasileira. Os moradores que rejeitaram a conduta infame delas estavam e estão com a razão, segundo os princípios do que desejamos que seja – civilização.
    Sim em Belo Vale existe um vasto patrimônio, com histórias encantadoras, inclusive de heróis negros, de coronéis negros, no período escravista brasileiro, além de ruínas ciclópicas de intrigantes origens. Gastam tempo com um notícia inverídica e infame, conspurcando os fatos da cidade, onde nunca aconteceu o descalabro que o documentário (sem pesquisa, não sério, e incompleto)insinua e editado, como se fosse um filme, de uma história romanceada, com lágrimas de jovens veteranas do teatro amador, que tanto praticam na Comunidade Noiva do Cordeiro. Ensaios diários para representar personagens e cenários, assim como mentira repetidas vezes, se torna verdade na mente daqueles que pensam mal e apressadamente. Uma hipocrisia dizer que são moças simples como se estivéssemos falando de pessoas que não são violentas e desrespeitosas longe das camaras.
    Procure Luciano, oficial de justiça do Forum de Belo Vale, solicite calhamaços de documentos antigos sobre os acontecimentos que aconteceram anos atrás. Procurem Joâo Ferreira Leite (Piedade dos Gerais) Pastor da Igreja Noiva do Cordeiro, vítima das jovens de Noiva do Cordeiro. Procurem senhora Rute Fernandes e Jair Fernandes, moradores, corajosos moradores, que residem no local, procurem senhora Judite, ex-esposa de senhor Paulo (amante de senhora Delina) que passa, procure Dionísio Fernandes (que várias vezes teve sua casa apedrejada por moradores de Noiva do Cordeiro em eleições passadas), procurem o promotor do Fórum de Montes Claros que trabalha com o processo contra funcionários fantasmas, inclusive algumas são de Noiva do Cordeiro, na gestão do prefeito Tadeu Leite. Existem muitos dados que precisam ser recuperados, investigados, analisados, para serem compreendidos. Procurem os aposentados de Desterro de Entre Rios que doam mensalmente parte dos seus salários minguados, para senhora Delina. Em Noiva do Cordeiro não existem mansões, mas não é o paraíso com amor que se fala por aí. Afinal, é necessário a definição do que é amor.

    Suzy,

    Se todo o preconceito e calúnia supostamente sofrida pelas moradoras de Noiva do Cordeiro for verdade, é impossível imaginar que não existiriam situações que envolvam conflitos físicos e morais, além de casos que envolvam a polícia do local. A psicologia fala de algo que se chama ‘O grito dos inocentes’, que é a reação, muitas vezes inflamada ou agressiva, diante de uma injustiça, uma calúnia.

    Pense um pouco, as peças de teatro que elas mostram no documentário como uma forma de diversão, assim como é em todos os lugares, você diz que foram usadas para representar um sofrimento inexistente no documentário. Não podemos esquecer que durante anos e anos, atrizes eram classificadas como prostitutas no Brasil, não apenas em sua região.

    Você mesmo embasou novamente aquilo que é relatado no documentário: ‘Uma mentira repetida diversas vezes pode se tornar realidade’. E uma mentira, classificando a comunidade com diversas calúnias, de forma repetitiva, não poderia fazer uma comunidade tomar esta como a verdade absoluta? Fadando a comunidade de Noiva do Cordeiro a uma discriminação e isolamento?

    Você estranhamente fala de política de forma muito enfática e sabemos que a política é um terreno fértil para ofensas e troca de acusações. Pelo que eu saiba e posso imaginar, se em algum momento da história, alguém decide mudar uma comunidade, uma cidade, um estado, um país, é se candidatando a um cargo político, afim de possuir voz de representação. Se elas tentaram cargos políticos, nada mais justo.

    Todas as suas acusações são em grande parte citadas no documentário e é exatamente por elas que ele foi feito. Ainda não entendi a lógica de desenterrar uma história perdida no que grandes centros como Rio e São Paulo devam considerar o ‘meio do nada’. Faça o seguinte, mande alguma comprovação documental do que você está falando, que eu publico aqui.

  15. SUZY CUPERSMIDT

    O problema não é ser prostituta ou não. Jesus Cristo andava com Maria Madalena (uma prostituta), mas ele falou da mentira como algo fruto do Mal, como um ato de adoração a Satanás, o Diabo, o pai da mentira.
    Toda história tem um passado, um detalhe para ser descoberto, analisado, contextualizado. Se você não compreende ou sabe, esta é outra questão, muito séria, pois exatamente isso poderá estar acontecendo na maioria das pessoas que assistem televisão, seja ela pública ou paga. E repito que a grande maioria do planeta tem dificuldade para raciocinar, para discutir, etc.
    É seríssimo o que se divulga sem o compromisso de relatar com justiça, mas apenas pelo sensacional.
    Quanto aos documentos, os manterei comigo, e cabe a você procurar as cópias que são liberadas pelo Fórum, se o deseja.
    Como estamos falando da informação, do meio poderoso de transmissão de informação e utilizando-o, ao menos de minha parte faço com responsabilidade. Sim, o canal pago de GNT recebeu o documentário, após uma seleção e premiação,etc. o canal também utiliza o sensacional, a notícia sensacional move os canais de tevê, o jornalismo sensacional é isso. Claro que existem documentários sérios, jornalistas sérios e comprometidos com a documentação, não é o caso desse relacionado com Noiva do Cordeiro que foi editado sem ouvir quem deveria ser ouvido e deu voz aos cegos que não viram.
    CONTINUA EM ABERTO A GRAVIDADE DO ASSUNTO.

    Suzy,

    Bom, sempre acreditei que: ‘o peixe, morre pela boca’. Seus comentários de cunho religioso demonstram que você é sim uma pessoa preconceituosa e de visão limitada pelos seus conceitos religiosos. Além de tudo, você é mal informada. Maria Madalena nunca foi prostituta, em nenhum momento da Bíblia, está escrito que Maria Madalena era prostituta, inclusive estudos apontam que na realidade, Maria Madalena era uma mulher da nobreza, que abdicou da sua vida de luxo e conforto para ser seguidora de Jesus Cristo. A igreja católica criou essa mentira sem tamanho e a muito tempo, a própria igreja se retratou sobre isso.

    Olha que ironia, viu como um boato pode se perpetuar? 2000 anos depois e você ainda acredita que Maria Madalena era prostituta e mal sabe que até o Vaticano desmente essa versão. Você quer que eu acredite em pessoas que ao mesmo tempo são acusadores e julgadores? Você não vai me mandar documento nenhum, porque não os tem. Se deu ao trabalho de vir até aqui, caluniar estas pessoas, o que se torna uma prova material e ao contrário do que aconteceu escondido e confinado a Belo Vale, agora pode ser prova de um processo judicial. Nossa legislação garante a qualquer réu, o benefício da dúvida e da falta de provas, considerando inocente até provado o contrário.

    Você não me parece uma pessoa isenta para falar da história. Estranhamente, os depoimentos positivos aqui listados no blog, são de pessoas que conheceram a comunidade mas não moram em Belo Vale e arredores, estranho que somente quem more aí, pense e enxergue as coisas desta maneira.

  16. SUZY CUPERSMIDT

    Aproveitando a deixa sobre o que a psicologia tenta explicar sobre o comportamento humano, você deveria também considerar que o fato de pessoas considerarem as jovens de Noiva do Cordeiro, como ‘prostitutas’, o que não é o meu caso, temos todos de reconhecer, que é possível que ‘o inconsciente coletivo’ tenha adotado comportamentos que fizeram lembrar as prostitutas. Ainda em 2007, as jovens da vila Noiva do Cordeiro vestiam roupas mais provocantes, com saias e modos que sempre mostravam as peças íntimas, além dos próprios desfiles no ‘meio do nada’, em butecos copos sujos. Lembrando que um desses bares é o Bar comunitário, que antes era a Igreja Noiva do Cordeiro.

    Suzy,

    Eu não sou advogado de ninguém, mas sempre que alguém deixa comentário no blog, procuro responder. Talvez o seu conceito de comportamento que ‘lembre prostitutas’, pode não ser o mesmo conceito que eu tenho sobre isso. Independente do comportamento privado de uma pessoa, de nada me concede o direito de desrespeitar, discriminar ou de isolar alguém em sociedade por isso.

  17. SUZY CUPERSMIDT

    quanto ao ISOLAMENTO, uma mentira, pois os desfiles aconteciam em diferentes lugares da cidade de Belo Vale e a populaçao masculina em peso ia assistir. Alguns deles ocorreram no Clube Carijó, na Cachoeira do Moinho, e muitas das jovens, adolescentes de quatorze anos, com peças transparentes e depiladas.
    O isolamento geográfico é uma coisa, que a própria cidade tem, mas não um isolamento, como se os moradores de Belo Vale as desprezassem, aliás, se alguns as consideram prostitutas ou consideraram, isso não as isolava, momento algum, muito pelo contrário, pois desde há muito os rapazes as procuram. Sim adultério, fornicação é coisa comum hoje em dia, e isso não é prostituição. Sério mesmo e saber a fonte de riqueza de pessoas que trabalham carregando caixas pesadas, no CEASA, e somente eles serem um sucesso, isso é algo excelente para estudos investigativos.

  18. Adriano Fernandes Pereira

    Concordo com você Suzy. Em parte, pois Belo Vale é uma bagunça mesmo. Aqui tem um patrimônio sim, mas ninguém se importa como deveria. Antes nós tínhamos a FIA como referência na cidade, mas até ela agora virou gentalha, com o que fez com todo mundo recentemente. Depois vem essa estória de Noiva do Cordeiro onde já estive e vou nas suas festas. As meninas são interessantes, e depois de aparecer na televisão, a cidade virou os olhos para elas. De um lado tem essa comunidade com a fama que tem, mas os belovalenses gostam disso e fazem sucesso com o carnaval ‘mamãe virei bicha’. Ou seja, a cidade está com fama de lugar para prostitutas e bichas. Tudo bem, isso também é normal, pois passa na televisão. Mas e o resto que tem mais valor do que a sexualidade, é tratado com descaso.

    Adriano,

    Ou devo te chamar de Suzy? Sabia que você iria acabar mostrando que se trata de uma pessoa sem carater. Deveria imaginar que você não está lidando com gente ignorante.
    Quando quiser se passar por outra pessoa, deveria saber que um blog armazena o número IP do computador, ou seja, o número de onde está conectado este computador.

    Adriano Fernandes Pereira
    pereira098@hotmail.com
    186.240.176.120

    SUZY CUPERSMIDT
    suzy.08@hotmail.com
    186.240.176.120

    Difícil entender? Que Suzy e Adriano são as mesmas pessoas?
    Eu não vou deletar seus comentários, porque são a prova escrita e documental do preconceito que essas mulheres viveram e continuam vivendo.

  19. SUZY CUPERSMIDT

    Ora que ingênuo, o próprio Jesus Cristo não é um fato histórico, mas remendos de crenças mediterrânicas, sem registro da comunidade judaica. O Vaticano não tem essa autoridade para estudos sobre acontecimentos no Mediterrâneo, pois é instituição comercial, que vive de religião. Testemunho de quem é suspeito, perde valor.
    E não moro na região, nem ao menos pertenço a qualquer daquelas interessantes familias, mas fiz estudos sobre os relatos, visitei intensamente e continuo fazendo.
    Uma visita de final de semana não é válido, assim como conhecer comunidades em festas. Precisa conviver, e comer sal junto como dizem.
    O que aconteceu no passado é fato histórico se for oficialmente, e se não é, consideramos história das mentalidades, com 50% de chance, antes disso não é histórico. Se estamos falando de provas, foi mencionado o nome do oficial de justiça de Belo Vale, que trabalha no fórum, basta procurá-lo. Se reúno dados, eles são meus e o que é acusação é acusação. Se uma pessoa tem dificuldade para compreender então o problema e dela. Enfatizando que a notícia e o documentário não foi realizado do modo apropriado, com o contraditório necessário. Os nomes existem e foram mencionados acima, mas não ouvidos e não foram procurados por reportagens. Procure as pessoas e compre o peixe.

  20. SUZY CUPERSMIDT

    Não perdemos o foco da questão?
    Não se trata de acusação, e os documentos forenses são documentos que estão no arquivo. Se o desconhece deveria procura-los. Quanto ao termo prostituta, ou sobre o que está incompleto, isso é relevante. Um documentário precisa ouvir os diferentes lados da questão. A notícia precisa ser clara. O que aconteceu é histórico ou história das mentalidades. As pessoas religiosas são protegidas por leis e devem também cumprir as leis. A transformação de monumento sagrado em Bar é uma questão igualmente importante e mais ainda para ser considerado o que motivou a divergência na história comunitária.
    Outro ponto interessante, já que falou de IP., deveria lembrar que um computador pode ser utilizado por diferentes pessoas, seja particular ou não.
    Considerando os fatos e ocorrências do passado, além de tantos e polêmicos assuntos, melhor que sejam investigados em plenitude, para que seja melhor transmitido a comunicação.
    É relevante que seja lembrado que uma igreja é empreendimento do terceiro setor, com regras a serem cumpridas, e a Lei Brasileira defende o direito do fiel não ser ofendido na sua crença. Objetos Sagrados devem ser tratados com respeito, e não se pode utilizar de modo ofensivo, neste caso – transformar a Igreja num bar e promover desfiles. Em Desterro de Entre Rios, a Igreja, com as paredes e o mesmo formato, foi utilizado como bar para servir bebidas e em Noiva do Cordeiro, utilizaram o mesmo espaço e romperam as paredes. Lembrete – AMBAS SÃO DA SEITA NOIVA DO CORDEIRO.
    Você diz que não é advogado de ninguém, mas trata o assunto de modo policialesco e defende sem considerar o que está sendo escrito, mais preocupado de ACHAR quem escreve do que realmente levar a discussão a cabo, com inteligência.
    O que motivou o documentário é o passado, mesmo que o presente tenha se transformado num ambiente sensacional. O que motivou as pessoas da cidade foram as atitudes. Noiva do Cordeiro está geograficamente isolada, mas não totalmente isolada da sociedade.
    Vamos continuar o assunto ele é intrigante, desde que você não diga o que eu não disse.

  21. regina de jesus vivoni

    oi sou lojista e tenho enteresse em receber catalago com tabela de precos urgente.

  22. Bakhtyar

    Estou disposto a viver lá e se casar com uma menina em Noiva do Cordeiro

  23. Rangel Costa

    Sou de SP moro só sem filhos tenho renda fixa, 36 anos e gostaria de conhecer uma mulher desta região que parece abençoada pois são muitas e bonitas; aprecio mulheres de familia e que queiram amizade, bem como compromisso sério. Sou uma pessoa só .. e acho que está na hora de arrumar uma parceira ce alguém ce interessa segue meu email Acima e cel com watzap 65 93034099 mulheres de 17 a 29 estou no aguardo !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *